TRATAMENTO DA OBESIDADE ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

quinta-feira , 19, setembro 2013 Leave a comment

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

PÂMELA CASTRO BARINI

 

 

 

 

 

 

TRATAMENTO DA OBESIDADE ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

 

 

 

 

 

MOGI DAS CRUZES, SP

2008

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

PÂMELA CASTRO BARINI

 

 

 

 

 

 

TRATAMENTO DA OBESIDADE ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

 

 Monografia apresentada ao Programa de Pós Graduação da

Universidade de Mogi das Cruzes   como   exigência parcial

para a obtenção do título de   Especialista  em  Acupuntura.

 

Orientadora: Professora Bernadete Nunes Stolai

Co-orientadora: Professora Romana de Souza Franco.

 

 

 

MOGI DAS CRUZES, SP

2008

PÂMELA CASTRO BARINI

 

 TRATAMENTO DA OBESIDADE ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

 

Monografia apresentada ao Programa de Pós Graduação da

Universidade de   Mogi   das Cruzes como exigência parcial

para a obtenção do título de Especialista   em   Acupuntura.

 

 

 

    Aprovado em: ……………………………………………………………

 

  

BANCA EXAMINADORA

 

 

 

Profª. Bernadete Stolai Nunes

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

  

Profª. Romana de Souza Franco

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

 

 

 

 

DEDICATÓRIA

 

 

 

Dedico esta monografia aos meus pais, que sempre me apóiam em tudo o que faço, mesmo a distância, mesmo sem entender direito, ao meu namorado Marcos, que sempre teve muita paciência e que é uma pessoa muito importante em minha vida e a minha amiga Franciane que esteve junto comigo em momentos difíceis e felizes, buscando o mesmo objetivo, e com quem quero dividir uma vida profissional de sucesso.

 

 

 

 

AGRADECIMENTOS

 

 

 

            À Franciane Gonçalves que me ajudou na realização deste trabalho, pelas incríveis dicas e ensinamentos que me proporcionou, auxiliando no meu aperfeiçoamento, demonstrando uma verdadeira amizade.

            À Deus que nos deu a vida, permitindo que eu realizasse esta obra, aos meus familiares e Marcos Sandoval Barbosa que me compreendem e estimulam a nunca desistir, me ensinando a ter mais paciência e sempre acreditar que é possível alcançar nossos sonhos e atingir objetivos mesmo que pareçam difíceis, que obstáculos aparecem e eles me ajudarão a enfrentá-los, mostrando que jamais estarei sozinha. Muito obrigado

 

 

 

 

 

 

 

RESUMO

 

O número de pessoas obesas cresce vertiginosamente em todo o mundo, com isso cresce também as doenças decorrentes da obesidade, um problema grave que vem atingindo a população ao longo de muitos anos. Hábitos irregulares, predisposição genética, sedentarismo, fatores emocionais entre outras são as causas desse aumento do número de indivíduos obesos. O tratamento dessa doença pode ser realizado desde a simples combinação de dieta e exercício físico ou em casos graves é indicado cirurgia ao paciente. Temos ainda os medicamentos que são prescritos muitas vezes desnecessariamente causando diversos efeitos colaterais e seu efeito é temporário. A acupuntura é um método que vem sendo utilizado para a redução de peso de indivíduos obesos e como conseqüência diminuição das co-morbidades acarretadas pelo excesso de peso, assim como beneficiar os pacientes com mais qualidade de vida e equilibrar o organismo de uma forma natural, favorecendo também o equilíbrio psíquico. Porém, o paciente deve conscientizar-se da importância de uma dieta equilibrada, da prática de exercícios físicos e dos tratamentos complementares como as técnicas de acupuntura, para obter um organismo em harmonia.  Este trabalho demonstra através de uma revisão de literatura científica, os efeitos benéficos da acupuntura sistêmica, auricular e eletroacupuntura em pacientes com obesidade.

 

Palavras-chave: obesidade, acupuntura, auriculoterapia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ABSTRACT

 

The number of obesas people grows vertiginously in the whole world, with this also grows the decurrent illnesses of the obesity, a serious problem that comes reaching the population throughout many years. Irregular habits, genetic predisposition, emotional sedentariness, factors among others are the causes of this increase of the number of obeses individuals. The treatment of this illness can be carried through since the simple combination of diet and physical exercise or in serious cases is indicated surgery to the patient. We still have medicines that many times are prescribed uselessly causing diverse collateral effect and its effect is temporary. The acupucture is a method that comes being used for the reduction of weight of obeses individuals and as consequence reduction of the co-morbidades caused for the weight excess, as well as benefiting the patients with more quality of life and balancing the organism of a natural form, also favoring the balance psychic. However, the patient must acquire knowledge itself of the importance of a balanced diet, of the practical one of physical exercises and the complementary treatments as the acupuntura techniques, to get an organism in harmony. This work demonstrates through a revision of scientific literature, the beneficial effect of the systemic, auricular acupuncture and electroacupuncture in patients with obesity.

Word-key: obesity, acupuncture, auriculotherapy.

 

 

 

 

 

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

 

 

Bl                    Bladder (Bexiga)

 

Cv                   Vas Design (Vaso da Concepção)                    

 

Gh                  Heart (Coração)

 

Gv                   Vas Governor (Vaso Governador)

 

Kl                    Kidney (Rins)

 

Li                    Large Intestine (Intestino Grosso)

 

Liv                  Liver (Fígado)

                       

Lr                    Liver (Fígado)

 

P                     Movement Sex (Circulação Sexo)

 

Sp                   Spleen (Baço Pâncreas)

 

St                    Stomach (Estômago)

 

Te                    Triple Heater (Triplo Aquecedor)

 

AVC                Acidente Vascular Cerebral

 

HDL                Hight Density Lipoprotein (Alta Densidade de Lipoproteína)

 

IMC                Índice de Massa Corporal

 

LDL                Low Density Lipoprotein (Baixa Densidade de Lipoproteína)

 

MTC               Medicina Tradicional Chinesa

 

OMS               Organização Mundial de Saúde            

                       

SNC               Sistema Nervoso Central

 

SNV               Sistema Nervoso Vegetativo

 

TMB               Taxa Metabólica Basal

 

TNFa              Tumor necrosis factor alpha (Tumor necrose de fator Alfa)

 

UMC              Universidade Mogi das Cruzes

 

UNIFESP      Escola Paulista de Medicina

 

USP               Universidade de São Paulo

 

 

  

SUMÁRIO

 

 

1 INTRODUÇÃO……………………………………………………………………………………………….10

 

2 METODOLOGIA…………………………………………………………………………………………….19

 

3 ACUPUNTURA E OBESIDADE……………………………………………………………………….20

 

3.1 TRATAMENTO ACUPUNTURA SISTÊMICA………………………………………………….24

 

3.2 TRATAMENTO COM ACUPUNTURA AURICULAR………………………………………..29

 

4 CONCLUSÃO………………………………………………………………………………………………..34

 

REFERÊNCIAS…………………………………………………………………………………………………35

 

 

  

 

1 INTRODUÇÃO

 

        A obesidade, um dos distúrbios mais remotos que acomete a humanidade, é uma doença crônica que atinge todas as faixas etárias e grupos socioeconômicos e que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), vem crescendo muito. O número de obesos entre 1995 e 2000 passou de 200 para 300 milhões, perfazendo quase 15% da população mundial. Estimativas mostram que, em 2025, o Brasil será o quinto país no mundo a ter problemas de obesidade em sua população. Assim, a obesidade é considerada, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, um importante problema de saúde pública, e para a OMS, uma epidemia global (ROMERO, 2006).

            A etiologia da obesidade não é de fácil identificação, uma vez que a mesma é caracterizada como uma doença multifatorial, ou seja, é resultado de uma complexa interação entre fatores comportamentais, culturais, genéticos, fisiológicos e psicológicos. Pode, dessa forma, ser classificada em dois contextos: por determinação genética ou fatores endócrinos e metabólicos, ou então, influenciada por fatores externos, sejam eles de origem dietética, comportamental ou ambiental. Acredita-se que os fatores externos são mais relevantes na incidência de obesidade do que os fatores genéticos (ROMERO, 2006).

Há diversas formas de conceituar e classificar a obesidade. A definição primária de obesidade pode ser a de “acúmulo excessivo de tecido adiposo no organismo”.  A grande dificuldade deste conceito básico é como medir esse tecido adiposo e como estabelecer o limiar a partir do qual um determinado indivíduo será rotulado como obeso (VASQUES, 2004).

A obesidade é o acúmulo exagerado de gordura no tecido subcutâneo. Uma doença multifatorial, que age de diversas formas para determinar este problema, ou seja, falta de atividade física, vida sedentária, alimentação exagerada e emocional (SANTOS E MOURA, 1988).

Já para Cohen e Cunha (2004), a obesidade é o estado físico em que a pessoa tem peso acima do que se espera para o seu biótipo (constituição muscoesquelética) e seu sexo. Além do sobrepeso ainda apresentam um excesso de gordura, com relação à considerada normal.

            Segundo Jinsheng (2005), um indivíduo obeso tem um padrão de peso excedente a 20% do seu corpo, relacionado com o acúmulo de gordura, não incluindo a massa magra (músculos).

            O sobrepeso nem sempre foi atributo negativo. Dados arqueológicos mostram que antes mesmo da Idade Moderna, a obesidade feminina era vista como forma de saúde e fertilidade, porque na Idade Média acreditavam que as mulheres que agüentavam um bebê por nove meses na barriga eram aquelas que tinham reservas adiposas, ou seja, acúmulo de gordura. Em 1930, o mundo da Psicologia já era dominado por Freud, e sua idéia é que a obesidade vem da fixação da pessoa na fase oral, advinda de famílias desajustadas, resultando na compulsividade em comer. (COHEN E CUNHA, 2004).

No final da década de 1970, muitas companhias de seguro internacionais utilizavam tabelas que relacionavam peso com altura e determinavam se a pessoa era obesa, pois teria que pagar mais caro pelo seguro, porque estaria mais propensa a ter problemas de saúde. No entanto, esta forma de medição não é a ideal, já que pessoas com a mesma altura podem ter constituições diferentes, sendo este peso relacionado a musculatura (massa magra) e não a gordura acumulada (COHEN E CUNHA, 2004).    Criou-se, então, o Índice de Massa Corporal (IMC), método mais utilizado atualmente e que define que a obesidade seria classificada a partir de um IMC superior a 30 kg/m². Outra definição que se refere igualmente ao excesso de peso é a de que “uma pessoa obesa é definida, convencionalmente, como aquela que pesa 20% a mais do que o peso-padrão especificado com relação ao sexo, altura e estrutura corporal” (VASQUES, 2004).

Segundo Fornazieri (2005), quando o resultado dessa divisão fica entre 19 e 25 kg/m², considera-se o indivíduo normal. Entre 26 e 30 kg/m², pode-se concluir que há sobrepeso, acima de 30 até 39,9 kg/m² a pessoa apresenta obesidade leve e as pessoas com IMC maior que 39,9 kg/m² é determinado como obeso grave ou mórbido.

Outro método de mensuração da obesidade é feito a altura (cm) – 100 x 0.9, o resultado dos graus de obesidade podem ser até 10 % é considerado normal, acima de 10% até 20%, considerado como excesso de peso, de 20% a 30%, o indivíduo apresenta obesidade leve, de 30% a 50% obesidade grave e acima de 50% a pessoa tem obesidade mórbida. (JINSHENG, 2005).

A OMS define obesidade grau I quando o IMC situa-se entre 30 e 34,9 kg/m², obesidade grau II quando IMC está entre 35 e 39,9kg/m² e, por fim, obesidade grau III quando o IMC ultrapassa 40kg/m² (FANDINO, 2004).

O fato é que a obesidade se transformou no problema de saúde mais comum do século XXI, emergiu como uma epidemia em países desenvolvidos, durante as últimas décadas do século XX. No entanto, atualmente, atinge todos os níveis socioeconômicos e vem aumentando sua incidência, também nos países em desenvolvimento. Este problema não está limitado a uma região, país ou grupo racial/étnico, mas sim a um fenômeno mundial que afeta ricos e pobres, adultos e crianças e é resultante da ação de fatores ambientais, hábitos alimentares, atividade física e condições psicológicas sobre indivíduos geneticamente predispostos a apresentar excesso de tecido adiposo. (CABÝOGLU E ERGENE, 2006).

Estudos populacionais realizados no Brasil, nos últimos 25 anos, têm demonstrado significativos aumentos nas prevalências de sobrepeso e obesidade em todas as regiões do País, tanto em homens como em mulheres. O aumento da prevalência de obesidade observado na região das Américas nas últimas décadas tem sido atribuído principalmente, às mudanças nos hábitos alimentares da população, com maior consumo de alimentos de alta densidade energética, alto consumo de carboidratos refinados, gorduras saturadas, colesterol, ácidos graxos trans, bebidas alcoólicas e alimentos tipo fast-food; redução da atividade física, devido aos avanços tecnológicos no trabalho, ao uso de veículos automotores, elevadores, escadas rolantes e aumento do tempo gasto em atividades sedentárias (jogos eletrônicos, televisão, computador); e a outros fatores de caráter sociocultural, como a valorização do excesso de peso como sinônimo de saúde e prosperidade (OLIVEIRA, 2007; SOUSA, 2007).

Até alguns anos atrás, a culpa da obesidade era exclusivamente do obeso, pois ingeria mais calorias do que gastava, na verdade a obesidade tem diversas causas, como a ingestão exagerada e compulsiva de alimentos, conforme os nutricionistas e endocrinologistas, boa parte dos obesos não comem muito, mas sim ingerem alimentos com alto grau de gordura. Uma revista psiquiátrica revelou um estudo que abrangeu vários países, inclusive o Brasil, que cerca de 30% dos obesos são compulsivos, principalmente nos dias de hoje, devido aos problemas socioeconômicos, que levam os indivíduos a buscarem compensação psíquica nos alimentos, especialmente frituras e doces (COHEN E CUNHA, 2004). Dentre os fatores alimentares, pode-se destacar o excesso de energia e, principalmente, de lipídeos, favorecendo o aumento da adiposidade. Outro aspecto alimentar ressaltado é quanto à freqüência alimentar, já que os indivíduos que consomem maior número de pequenas refeições ao longo do dia apresentam peso relativamente menor do que aqueles que consomem número menor de grandes refeições. Quanto à prática de exercícios físicos, já é consenso que à medida que a sociedade se torna mais desenvolvida e mecanizada, a demanda por atividade física diminui, diminuindo o gasto energético diário (FRANCISCHI, 2000).

A falta de atividade física é resultado do desenvolvimento tecnológico e industrial e levou os indivíduos a cada vez mais utilizar as máquinas, deixando o gasto calórico baixo (SANTOS E MOURA, 1988).

Há também evidências sugerindo forte influência genética no desenvolvimento da obesidade, mas seus mecanismos ainda não estão esclarecidos. Acredita-se que esses fatores possam estar relacionados ao consumo e gasto energético. O controle do apetite e o comportamento alimentar também sofrem influência genética. Há indícios de que o componente genético atua sobre o gasto energético, em especial sobre a taxa metabólica basal (TMB), a qual é, determinada principalmente pela quantidade de massa magra. Além disso, deve-se considerar que há diferenças individuais na suscetibilidade à obesidade (FRANCISCHI, 2000).

O envelhecimento também está ligado ao ganho de peso, por estar associado a fatores como declínio na TMB em conseqüência da perda de massa muscular, diminuição na prática de atividades físicas e aumento no consumo alimentar. Um certo número de desordens endócrinas também podem conduzir à obesidade, como por exemplo o hipotireoidismo e problemas no hipotálamo, mas estas causas representam menos de 1% dos casos de excesso de peso. Outros problemas dessa mesma origem incluem alterações no metabolismo de corticoesteróides, hipogonadismo em homens e ovariectomia em mulheres, e a síndrome do ovário policístico, a qual pode estar relacionada a mudanças na função ovariana ou à hipersensibilidade no eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. Problemas psicológicos também estão associados ao ganho de peso, como por exemplo, estresse, ansiedade e depressão, influenciando principalmente o comportamento alimentar (FRANCISCHI, 2000).

Estudos populacionais têm demonstrado que o excesso de tecido adiposo, principalmente na região abdominal, está intimamente relacionado ao risco de desenvolvimento de doença arterial coronária, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus e dislipidemias. E essa associação eleva-se na medida que o índice de massa corporal (IMC) aumenta. A maior parte dessas doenças está relacionada à ação do tecido adiposo como órgão endócrino, uma vez que os adipócitos sintetizam diversas substâncias como adiponectina, glicocorticóides, TNFa, hormônios sexuais, interleucina -6 (IL- 6) e leptina, que atuam no metabolismo e controle de diversos sistemas (ROMERO, 2006).

A obesidade pode levar o indivíduo a inúmeras morbidades decorrentes do excesso de peso. As três principais causas de morte no Brasil são infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral (AVC), números que representam 300 mil mortes por ano, uma média de 820 por dia, sabe-se que para cada 10% de aumento no peso corporal, aumenta em 20% a chance de uma doença coronariana existir, havendo uma estreita relação com a circunferência abdominal, medindo a razão entre a cintura e o quadril, para os homens esta relação não deve ultrapassar 1,0 metro e para mulheres 0,80 centímetros. Muitos estudos demonstram que a redução da quantidade de massa corporal, em especial de gordura, melhora a qualidade de vida e diminui a morbidade e a mortalidade de pacientes obesos. A literatura é extensa quanto aos diferentes tratamentos para a obesidade, porém ainda não foi possível alcançar uma conclusão definitiva (FRANCISCHI, 2000).

A obesidade deve ser reconhecida como uma enfermidade e tratada como tal. O paciente deve compreender que a perda de peso é muito mais que uma medida cosmética e visa à redução da morbidade e mortalidade associadas à obesidade. Perdas de 5 a 10% do peso corpóreo inicial são associadas a reduções significativas de pressão arterial, glicemia e valores séricos de lipídios (NONINO-BORGES, 2006).

O tratamento indicado para obesidade varia de acordo com o paciente, é feito através de dietas específicas para cada indivíduo, prática de atividades físicas e medicamentoso. O tratamento medicamentoso para redução da obesidade utiliza as seguintes drogas: anfetaminas, fenfluraminas, fenterminas, dietilpropriona, mazindol, pemolina, fenilpropanolamina e os anti-depressivos, fluoxetina e sertralina, entre outras. Há muitas controvérsias sobre a utilização destes, pelos escassos estudos sobre seus efeitos a longo prazo. Os remédios criam uma expectativa de cura para a obesidade e as pessoas comumente voltam a engordar com a suspensão do medicamento. Os efeitos colaterais normalmente observados incluem sonolência, nervosismo e distúrbios no trato gastrintestinal (FRANCISCHI, 2000).

Alguns pacientes não respondem a estas manobras terapêuticas, necessitando de uma intervenção mais eficaz. A cirurgia bariátrica tem se mostrado uma técnica de grande auxílio na condução clinica de alguns casos de obesidade. A indicação desta intervenção vem crescendo nos dias atuais e baseia-se numa análise abrangente de múltiplos aspectos do paciente (FANDINO, 2004).

Independente da maneira a ser conduzido (dietético, medicamentoso ou cirúrgico), o tratamento da obesidade exige identificação e mudança de componentes inadequados de estilo de vida do indivíduo incluindo mudanças na alimentação e prática de atividade física (NONINO-BORGES, 2006).

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) tem uma visão holística do corpo, onde nada se separa, tudo está interligado, integrado a todas as partes do organismo. Por isso a obesidade não é só um fator corporal, estético, é também mental. Na acupuntura o paciente que sofre de obesidade é tratado da sua ansiedade e compulsividade de comer. Além de equilibrar seu metabolismo para uma melhor digestão e eliminação dos alimentos. Em paralelo à acupuntura, o ideal é fazer uma dieta, reeducação alimentar e exercícios físicos. (SEBOLD, 2006).

Os Chineses entendem que o nosso corpo é dividido por meridianos de Energia, esta teoria meridiana guiou a prática da Medicina Tradicional Chinesa, especialmente a Acupuntura. Estes meridianos possuem condutibilidade elétrica, que com o tratamento da acupuntura diminuiu o IMC de populações obesas submetidas a um programa de perda de peso (KWON, 2007). Várias pesquisas asseguram cientificamente os resultados da acupuntura, um tratamento muito positivo para os pacientes, pois a acupuntura tem efeito real na fisiologia do ser vivo, promovendo melhora significativa no funcionamento do organismo. (YIN, 2005).

Devido à alta taxa de incidência de obesos em todo o mundo e como conseqüência o aumento de outras morbidades causada pelo excesso de peso, como, diabetes, hipertensão, riscos cardiovasculares e etc., métodos eficazes estão sendo estudados e adotados no controle de peso. A acupuntura é um método eficaz, não invasivo e que não provoca efeitos colaterais, presentes no uso de medicamentos, por exemplo, por isso está sendo utilizada como um método complementar no tratamento da obesidade.

Assim sendo, o objetivo deste trabalho é realizar através de levantamento bibliográfico uma revisão da literatura científica sobre a obesidade e demonstrar a eficiência do tratamento de acupuntura na redução de peso e melhora da qualidade de vida de pacientes obesos.

 

 

 

 

 

2 METODOLOGIA

 

A pesquisa foi feita através de revisão bibliográfica virtual, em revistas científicas indexadas da área médica e sites de confiança como Bireme, Scielo, Medline, Lilacs, utilizando artigos em português e inglês. Também foi feita a revisão bibliográfica das Bibliotecas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Paulista de Medicina (UNIFESP).

 

 

 

3 ACUPUNTURA E OBESIDADE

 

            A filosofia da MTC é bastante complexa, envolve principalmente as Teorias Yin e Yang e os Cinco Elementos, que são dois fundamentos que vem desde a China Antiga, são usados para explicar as funções fisiológicas do organismo, as mudanças patológicas e as relações entre os órgãos e vísceras, mas também difundem as regras e leis para o diagnóstico e tratamento (CHONGHUO, 1993).

                A Teoria do Yin Yang é um conceito básico e fundamental de todas as ciências orientais, é o que origina essencialmente todos os fenômenos naturais (YAMAMURA, 2004). Considera o mundo como um todo, o que resulta na unidade contraditória dos dois princípios, são forças opostas, interligadas e interdependentes entre si, presentes em qualquer lugar e fenômenos do universo. A relação destes dois princípios com a fisiologia do corpo humano é o resultado da interligação harmoniosa do Yin com o Yang e vice-versa, a matéria é o Yin e a função é o Yang (SEBOLD, 2006).

Portanto, a doença tem origem quando há um desequilíbrio entre Yin e Yang. Quando um se sobrepõe ao outro, causando desequilíbrios no sistema energético, surgem os casos clínicos, ou seja, quando um aumenta temos alguns tipos de problemas, ao mesmo tempo o outro diminui, quando este, por sua vez, aumenta, é o outro que diminui e causa outras doenças, e assim a MTC representa o dinamismo das relações de Yin e Yang, o corpo e a saúde expressam o equilíbrio entre estes aspectos (YAMAMURA, 2004).

A outra forma de definição de desequilíbrio energético na MTC é a Teoria dos Cinco Movimentos, ou seja: as qualidades diferentes dos cinco fenômenos naturais (vento, umidade, secura, calor, frio); cinco movimentos (fogo, terra, metal, água, madeira); cinco fases no ciclo das estações (primavera, verão, outono, inverno e canícula); cinco sabores (azedo, doce, picante, amargo e salgado); cinco cores (branco, preto, verde, vermelho e amarelo) e cinco emoções (alegria, preocupação, tristeza, medo e fúria), entre outros. Quando o desequilíbrio energético ocorre, segundo a Teoria dos Cinco Movimentos, é porque um dos movimentos está em excesso e conseqüentemente outro, em deficiência (SEBOLD, 2006).

Os Cinco Movimentos estão ligados entre si, um dinamismo, quando em estado de normalidade seguem dois princípios básicos e traduzem a saúde, enquanto a desarmonia define a doença (YAMAMURA, 2004).

Existe nos Cinco Elementos um movimento, um ciclo de geração, ou seja, o Fogo (Coração/Intestino Delgado) e (Circulação Sexo/ Triplo Aquecedor), gera a Terra (Baço Pâncreas/ Estômago), que por sua vez gera o Metal (Pulmão/ Intestino Grosso), assim vai gerar Água (Rim/ Bexiga) e que vai gerar a Madeira (Fígado/ Vesícula Biliar), que então volta a gerar o Fogo e assim por diante. Os Cinco Elementos também é formado por movimento de dominação, isto significa que, o Fogo domina Metal (porque pode fundi-lo), o Metal controla a Madeira (pois pode cortá-la), a Madeira domina a Terra (pois a Madeira tem raízes fortes e podem até derrubar uma casa), a Terra controla a Água (porque a terra absorve a Água) e a Água domina o Fogo (SANTOS, 2003).

Desta forma a fisiologia energética do ser humano, os Cinco Órgãos essenciais e as Seis Vísceras, representam as estruturas orgânicas e promovem o dinamismo das atividades físicas e psíquicas, portanto os Órgãos tem suas características e atividades específicas, incluindo-as no Movimento que a comanda (YAMAMURA, 2004).

Vários são os fatores que são considerados pela MTC como a natureza, o clima úmido, o estilo de vida, as emoções, a alimentação, a tensão mental, o excesso de pensamento, de trabalho, que podem enfraquecer os sistemas energéticos, portanto o diagnóstico na MTC vai se basear em todos estes desequilíbrios e vai determinar os pontos a serem utilizados para inserir as agulhas (SEBOLD, 2006).

Acupuntura significa agulhar e puncionar, está focada na terapia e na cura das enfermidades pela estimulação da pele com agulhas em pontos específicos, denominados de acupontos, que pode ser feito de várias maneiras como a acupuntura sistêmica, a auricular, a eletroacupuntura, massagens, exercícios respiratórios e fitoterapia (SZABÓ E BECHARA, 2001). A acupuntura sistêmica utiliza agulhas de aço inoxidável, ouro ou prata, o cabo geralmente é de material diferente, para provocar a formação de diferentes potenciais energéticos, a fim de acumular energia na ponta, tem de 1,5 a10 cm de comprimento e de 0,10 a0,50 mm de espessura (YAMAMURA, 2004). A Auricular também pode usar agulhas sistêmicas, mas as mais apropriadas são as semipermanentes ou sementes de mostarda, a primeira é de aço inoxidável também e parece uma tachinha, que tem uma ponta onde vai ser inserida na orelha, são de vários tamanhos e podem permanecer por um período de sete dias, as sementes tem a mesma finalidade, mas não penetram no ponto e mesmo assim ficam estimulando os acupontos, presos por uma fita adesiva antialérgica (SANTOS, 2003).

Os acupontos estão por toda a pele, ligados a terminações nervosas, tendões, músculos, vasos sanguíneos e sua estimulação relaciona-se diretamente com Sistema Nervoso Central (SNC) (SZABÓ E BECHARA, 2001).

No entanto, existem contra-indicações para o uso da acupuntura em pessoas portadoras de marca-passo, gestantes, sobre dermatites ou áreas tumorais (SZABÓ E BECHARA, 2001).

A verdade é que a MTC tem uma história milenar, resultado do acúmulo de uma rica experiência, cujo objetivo principal é a manutenção da saúde e o tratamento das doenças (SEBOLD, 2006).

Um dos métodos naturais para emagrecimento é a Acupuntura Sistêmica, Auricular ou Eletroacupuntura, que não prevê o uso de medicamento e é de eficácia comprovada. A acupuntura é a inserção de agulhas em vários locais do corpo, com propósitos terapêuticos, dentre eles a redução do peso. Sugere-se que o estímulo do ramo auricular do nervo vagal aumente o tônus do músculo liso do estômago, suprimindo o apetite. Uma variante do uso de agulhas é a estimulação elétrica transcutânea dos mesmos pontos (LACEY, 2003).

CABÝOGLU (2006) relatou que a aplicação da acupuntura no tratamento da obesidade é eficaz na perda de peso. Afeta o apetite, a mobilidade intestinal, o metabolismo e fatores emocionais. A Acupuntura está entre os tratamentos complementares mais utilizados. Para tratar obesidade a Acupuntura é bastante eficaz, principalmente a Auriculoterapia, pois além de auxiliar na perda de peso, vai suprimir o apetite.

Estudos revelam o efeito da acupuntura sobre o apetite, principalmente se adicionarmos a auriculoterapia, pois agem sobre o núcleo ventromedial, porque estimulam o hipotálamo, que é o centro da saciedade, sugerindo que uma sensação de satisfação por mais tempo (SZABÓ E BECHARA, 2001).                                                                                                                                                                                                                                                                              

Para a MTC a obesidade traduz um desequilíbrio energético o qual é conseqüência de fatores como: tipo e a quantidade de alimentos consumidos, regularidade da alimentação e estado emocional enquanto se alimenta. Os reflexos de deficiência do Qi e do Yang Rim e deficiência do Qi e do Yang do Baço, vão se caracterizar por vários sinais e sintomas dentre os quais o aumento de peso é evidente (SEBOLD, 2006).

Para tratar a obesidade com acupuntura é muito importante selecionar os pontos baseados nos sintomas, podem-se escolher pontos múltiplos em diversos meridianos, alguns pontos podem coincidir em vários tratamentos, de acordo com o padrão de obesidade que a pessoa apresenta, mas os efeitos são particulares, dependendo do paciente, do acupunturista e do padrão que a pessoa tem. A acupuntura auricular é bastante eficaz, principalmente combinada com a acupuntura sistêmica (QUNLI E ZHICHENG, 2005).

 

3.1 TRATAMENTO COM ACUPUNTURA SISTÊMICA

 

O desequilíbrio energético que causa obesidade é interpretado como sendo uma deficiência do Qi e do Yang do Baço/Pâncreas onde os sinais e sintomas são: excesso de peso, secreção no trato respiratório, demora ou lentidão para fazer qualquer coisa, sensação de peso nos membros, além de apresentar o pulso vazio e escorregadio e a língua pálida, com saburra gordurosa e branca. E Deficiência do Qi e do Yang Rim os sinais e sintomas são de excesso de peso, retenção de líquidos, sensação de frio nas costas, pernas e baixo abdome, o pulso é vazio, lento, escorregadio e profundo e a língua pálida, úmida, com presença de saburra branca (SEBOLD 2006).

Qunli e Zhicheng (2005), observaram que os efeitos da acupuntura sistêmica junto com a auricular era melhor do que utilizar apenas uma das técnicas. Os mesmos autores verificaram vários padrões da MTC que define pessoas obesas, como: Calor de Estômago e Intestino, os principais sintomas são fome, sede, urina escura, constipação e utilizaram Quchi (Li 11), Hegu (Li 4), Zusanli (St 36), selecionados para questões básicas, eliminação de calor, promover energia e imunidade, Neiting (St 44), usado como auxiliar, já Shangjuxu (St 37), pode ser usado para constipações afim de eliminar o calor excessivo e Xiajuxi (St 39), pode ser usado alternadamente ou combinado com os demais para ajudar a inibir o apetite e promover o peristaltismo do aparelho digestivo. Para reduzir o apetite e sede excessivos pode-se utilizar Liangqiu (St 34), Lougu (Sp 7) e Yinlingquan (Sp 9). Se houver mente agitada, calor na face ou vertigem devido ao excesso de Fleuma, escolher de 3 a 5 dos seguintes pontos, Zhongwan (Cv 12), Wangu (Sl 4), Hegu (Li 4), Fenglong (St 40), Jiexi (St 41), Dadu (Sp 2), Lidui (St 45), ShenMen (Gh 7) e Shaofu (Gh 8). A estimulação da eletroacupuntura em Zusanli (St 36) e Neiting (St 44) pode inibir a hiperatividade do Estômago, ou seja, inibir a fome, também pode ser usado na acupuntura sistêmica para reduzir o nível de açúcar no sangue, melhorando a resistência à insulina.

Especificamente o ponto da acupuntura sistêmica Li 4, Li 11, correspondentes ao Intestino Grosso e St 25 ao Estômago tem efeito regulador da mobilidade intestinal, ou seja, faz o alimento fazer seu ciclo dentro do organismo corretamente e expelir o que não é preciso (MACIOCIA, 1989), a estimulação dos pontos do Estômago St 36 e St 44 aumenta a excitabilidade do centro de saciação no núcleo medial ventral do hipotálamo (ZHAO, 2000), especialmente o ponto St 36 tem funções bastante importantes para o emagrecimento como tratamento de diarréia e constipação, regulador do movimento gastrointestinal, auxiliando na medida as pessoas que tem intestino hipoativo ou hiperativo (LI, 1992).

O Baço (Pi) e o Estômago (Wei), são a essência adquirida, a raiz da vida e, o funcionamento destes, permite nutrir o Rim (Shen), a essência congênita e também os cinco Zang (órgãos) e os seis Fu (vísceras), a Deficiência do Estômago e do Baço resultará da falha da descida de Qi de Estômago e a ascensão de Qi do Baço, gerando a Deficiência de Qi e de Sangue (Xue), os pontos a ser usados são: Zusanli (St 36), Sanyinjiao (Sp 6) e Neiting (St 44), harmonizam o Qi, o Sangue e o Yang. Já os pontos Xuechai (Sp 10), Geshu (Bl 17) e Yinbai (Sp 1), regulam sangue excessivo do Yin. Para tonificar o Qi pode utilizar os seguintes pontos: Zusanli (St 36), Qihai (Cv 6) e Zhongwan (Cv 12) (QUNLI E ZHICHENG, 2005).

Outro padrão bastante comum para obesidade é a Deficiência de Qi de Rim, este desequilíbrio causa as Deficiências de Estômago e Baço, os pontos Zusanli (St 36) e Yinlingquan (Sp 9), aumentam a energia do meridiano, Zhigou (Te 6) e Zhaohai (Kl 6), tonificam o Qi do Rim, a energia do Rim é a essência do corpo, para tonificá-la é necessário tonificar a energia do Triplo Aquecedor, Renzhong (Gv 26), Chengjiang (Cv 24) ou Duiduan (Gv 27), complementando com Rangu (Kl 2) ou Taixi (Kl 3), estes pontos também aumentam o Qi do Yang, acalma a mente e tonifica a circulação nos canais de energia (QUNLI E ZHICHENG, 2005; YAMAMURA, 2004).

O padrão de Estagnação de Qi do Fígado (Gan), também é bastante importante para determinar a obesidade, os pontos para este tratamento são: Taichong (Lr 3), Ququan (Lr 8), Xiaxi (Gb 43) e Ganshu ( Bl 18), os pontos deste padrão tem como característica energética tonificação do Canal Principal do Fígado, movimentação da Água, elimina o Calor do corpo e faz o Qi circular, além disso, estudos comprovam que estes pontos também regulam o açúcar no sangue em pessoas com obesidade, para pessoas que apresentam regurgitação ácida pode adicionar Weishu (Bl 21), para insônia e agitação mental incluímos o ShenMen e para mulheres com menstruação irregular usa-se o Sanyinjiao (Sp 6) (QUNLI E ZHICHENG, 2005; YAMAMURA, 2004).

Cabýoglu e Ergene (2005) utilizaram os pontos Hegu (Li 4), Quchi (Li 11), Tianshu (St 25), Zusanli (St 36), Neiting (St 44) e Taichong (Liv 3), que são pontos sistêmicos que tem como características auxiliar os alimentos a chegarem ao Intestino, eliminam o excesso de calor do corpo, ajudam no funcionamento intestinal, aumentam a energia, dispersam a estagnação de alimentos do Estômago, eliminam a umidade, produzem os líquidos orgânicos que servem para o bom funcionamento do organismo, tonificam o Qi nutritivo, limpam o fogo de Fígado (YAMAMURA, 2004), as mulheres obesas perderam cerca de 4,8% de peso, além de melhorar os níveis de colesterol e triglicérides.

 Utilizando este paradigma, a obesidade e / ou excesso apetite foi concebida numa variedade de formas, tais como Calor no Estômago e Intestino, uma deficiência de Qi no Baço e no Estômago ou uma deficiência de Qi primário. Com base nestas crenças sobre as causas da obesidade, uma variedade de pontos são direcionados no tratamento da obesidade, incluindo: Neiguan (P 6), Fenglong (St 40), Liangmen (St 21), Guanyuan (R 4), Zusanli (St 36), Tianshu (St 25), Quchi (LI 11), onde P refere-se a Pulmão, St ao Estômago, R ao Rim, e LI Intestino (LI, 1999; SUN, 1993).

He (2008), observou o efeito da acupuntura para emagrecimento em um grupo de 80 pacientes divididos aleatoriamente em 2 grupos, sendo que um grupo recebia administração oral de Sibutramina e o outro grupo foi realizada sessões de acupuntura no corpo, eletroacupuntura e auriculoterapia. Alguns dos pontos selecionados para acupuntura no corpo foram: Tianshu (ST 25), Guanyuan (CV 4), Sanyinjiao (SP 6); para a auriculoterapia: Shenmen, Neifenmi (endócrino), Pi (Baço). A taxa efetiva total no grupo que recebeu acupuntura foi de 87,5%, semelhante ao grupo medicação de 82,5%. Após o tratamento, o peso corporal, índice de massa corpórea, circunferência da cintura e quadril e relação cintura-quadril diminuiu significativamente nos dois grupos, mas a melhoria da circunferência da cintura e relação cintura-quadril no grupo acupuntura foi melhor do que no grupo medicação.

Bao e Wang (2006), observaram o efeito da acupuntura no emagrecimento de mulheres com diferentes tipos de obesidade, foram estudadas 83 casos divididos em dois grupos, um grupo de obesidade abdominal (IMC <25) e outro de obesidade simples (IMC >25). Com este estudo os autores chegaram à conclusão que o uso da acupuntura é indicado para o emagrecimento de diversos tipos de obesidade.

Além do propósito da perda de peso, há também que se preocupar com a saúde, isto é, os níveis de colesterol LDL (Low Density Lipoprotein), triglicérides e colesterol HDL (Hight Density Lipoprotein) foi feito acupuntura sistêmica e auricular, com sessões uma vez a cada três ou cinco dias, usando agulhas sistêmicas e sementes de mostarda. No corpo foi utilizado os seguintes pontos: St 25, St 36, Sp 6, P 6 e St 40, pontos referentes ao Estômago, Baço-Pâncreas e Pulmão, estes acupontos tem como função eliminar o alimento retido no Estômago, fazer o Qi circular pelo organismo fazendo os líquidos fluírem, eliminar a retenção de líquido que causa o inchaço abdominal e nos membros inferiores principalmente. Na orelha os pontos usados são: Boca, Esôfago, Estômago, ShenMen, Endócrino e Pulmão, alternando as orelhas a cada sessão. A conclusão é de que a perda de peso correspondeu com as diminuições dos níveis de colesterol totais e de triglicérides e o mais importante pode diminuir o risco de problemas associados à obesidade (CABÝOGLU, 2006).

 

3.2 TRATAMENTO COM ACUPUNTURA AURICULAR

 

A terapia auricular pode contribuir efetivamente para o tratamento da obesidade e o mais importante ajuda a manter a forma depois, assim como da acupuntura sistêmica a pessoa deve ser analisada individualmente, mas existe pontos específicos para este problema e que serão sempre utilizados neste tipo de tratamento: ShenMen, ponto importante que abre a energia mental, do espírito, usado sempre em todos os casos, é o primeiro ponto inserido. Intestino Grosso trabalha o funcionamento intestinal. Vias Urinárias, elimina retenção de líquidos e diminui a ansiedade, pois também atinge o Rim. Fígado, resolve as fugas das pessoas nas comidas, equilibrando o emocional. SNV (Sistema Nervoso Vegetativo), age também no emocional promovendo a limpeza gastrointestinal. Coração, trabalha a mente, acalma e tranqüiliza. Estômago, reduz o apetite e contribui para uma sensação de saciedade. Agressividade e Neurastenia, cuidam do psíquico. E o ponto Fome, diminui o apetite (SANTOS, 2003).

Para Nogier (2001) a obesidade é um problema cultural e de memória, pois cada pessoa materializa suas próprias memórias corporais, responsabilidade do hipotálamo, quando existe uma situação difícil o hipotálamo memoriza e apresenta respostas envolvendo alimentação, por isso os regimes hipocalóricos não dão certo, a queda brusca de calorias e quantidade de alimento ingerido gera sensações ruins ao hipotálamo, resultando em desequilíbrio do organismo. O problema começa na infância, ao experimentar o açúcar, provocando excesso de insulina, responsável pela busca da glicose no sangue, quando há excesso de açúcar, consequentemente há excesso de caloria em forma de gordura, prejudicando o Pâncreas. O ideal é evitar ingerir alimentos como bombons, refrigerantes, bolachas recheadas, pães e também as frituras fonte de grande gordura e densidade calórica. Para o tratamento auricular Nogier os pacientes foram atendidos pela tarde, mas ainda estavam em jejum, para os destros aplicar na orelha esquerda o ponto de Estômago, que vai imediatamente acabar com a fome, inserir também o ponto da fosseta central posterior, que provoca a mobilidade do estômago e reduz a capacidade de ficar repleto, Inserir o ponto O (também chamado de obesidade) sensível, do lado direito aplicar dois ou três pontos correspondentes ao hipotálamo, utilizando agulhas semipermanentes.

Auriculoterapia é o método mais freqüentemente utilizado para o tratamento da obesidade. Pontos comumente utilizados incluem pontos de “Fome” e “Estômago” (saciedade e plenitude) e ‘Shenmen’ (sedação e Analgesia). O ouvido externo é inervado por vários nervos, incluindo o nervo vago, glossofaríngeo, trigêmio, facial dentre outros. O nervo vago é direcionado para interagir com os nervos cranianos que partilham um caminho comum com os nervos digestivos em direção ao cérebro. Uma das hipóteses para explicar a eficiência da auriculoterapia seria a de que a estimulação do nervo auricular provoca interferências nos sinais de apetite e no trato gastrointestinal (LACEY, 2003).

A estimulação do ponto Fome da aurículo gera um sentimento de saciedade e satisfação, é como reprimir a fome, o ponto ShenMen quando usado regula a função do córtice cerebral e tem efeito sedativo. Já o ponto do Estômago, reduz o apetite, assim combinado com o ponto Boca provoca uma potencialização do tratamento (CABÝOGLU, 2006; LEE, 2005).

Já Qunli e Zhicheng (2005), consideram os impulsos neurais através da auriculoterapia que são levados ao SNC, pelo nervo vago, que interferem no desejo da ingestão de alimentos, aliviam a fome e eliminam o calor de Estômago e Intestino.

Gao (2007), comparou os efeitos da auriculoterapia e da acupuntura sistêmica com os efeitos da sibutramina em 50 pacientes com obesidade simples divididos em dois grupos; um grupo só recebeu acupuntura sistêmica e auricular e outro apenas o remédio. Os pontos utilizados no corpo foram, Tianshu (ST 25), Guanyuan (CV 4), Sanyinjiao (SP 6), Feng-long (ST 40), Zusanli (ST 36), etc, combinado com os pontos de insistir e pressionar a Shenmen, Nei-fenmi (endócrina), Pi (Baço), Wei (Estômago), Sanjiao (Triplo Aquecedor), Dachang (Intestino Grosso), etc. Como resultado os autores concluíram que a acupuntura demonstrou melhor efeito na redução de peso do que o uso de medicação.

Lee (2005) diz que o princípio da auriculoterapia é o de reduzir a fome, diminuindo a ingestão calórica, mas reforça a idéia de que é necessário aderir a uma dieta específica, os pontos empregados foram: Fome nas duas orelhas, como ponto principal, de forma auxiliar na orelha esquerda usou Ponto de Estômago e Pulmão, do lado direito Ponto S.N.V. (Sistema Nervoso Vegetativo) e ShenMen, estes pontos são parassimpáticos e reduzem o apetite que é de causa emocional. O método aplicado foi inserir a agulha no ponto na fome bilateralmente e deixar por 20 minutos, com estimulação elétrica deve ir aumentando a freqüência gradualmente até chegar a 60 Hz, a intensidade deve ser o suportável para o paciente, esta técnica pode ser feita em 5 a 10 minutos. Em seguida retirou as agulhas e colocou as semipermanentes nos demais pontos e no ponto da fome também, o paciente deve massagear os pontos durante 1 minuto, trinta minutos antes das refeições diárias.

Huang (1996) aplicou aurículoterapia, exercícios aeróbicos e dieta para 8 homens durante 8 semanas, com IMC cerca de 25% e 37 mulheres com IMC cerca de 30%. A aurículo foi feita nos pontos, Estômago, Sanjiao (Triplo Aquecedor), Fome e ShenMen, com aplicações semanais intercalando as orelhas a cada sessão. A dieta foi elaborada por nutricionista, calculando a necessidade diária de cada um, de acordo com suas atividades. Já os exercícios, de 3 a 5 vezes por semana para queimar de 300 a 500 Kcal em cada sessão, o resultado foi a perda de peso média de 4,4 kg e redução de 5,6% na taxa de gordura do corpo.

Sun e Xu (1993), compararam a auricular e a sistêmica em 110 pessoas obesas, para a auricular foi utilizado as sementes de mostarda nos pontos: Boca, Estômago, ShenMen, Pulmão, Endócrino, uma sessão a cada 3 ou 5 dias. Na acupuntura sistêmica utilizaram os seguintes pontos: Tianshu (ST 25), Zusani (St 36), Sanyjiao (Sp 6), Neiguan (P 6) e Fenglong (St 40) pelo mesmo período que a auricular com sessões de 15 minutos durante 3 meses, foi observado uma perda de peso em média de 5 kg.

Zhao (2006) em seu estudo conclui que a acupuntura combinada com eletroacupuntura e aurículo tem um melhor efeito terapêutico na obesidade do que nos pacientes tratados apenas com acupuntura sistêmica.

Shafshak (1995) estudou 30 mulheres obesas, dividindo-as em três grupos iguais de 10 pessoas, aplicou eletroacupuntura nas duas orelhas das mulheres do grupo 1 no ponto do Estômago, no grupo 2 aplicou no ponto auricular da fome também nas duas orelhas, no grupo 3 aplicou ponto placebo em cada orelha, uma vez ao dia, 7 dias por semana, durante o período de 3 semanas, elas também fizeram dieta recomendada com 1000 kcal/dia, o primeiro grupo resultou em perda de 1 a4 kg, o segundo foi de 1,5 a3,5 kg e o terceiro perdeu de 1 a3 kg, comprovando que a aurículo com eletroacupuntura funciona para a obesidade, mesmo quando se faz dieta o resultado com acupuntura é muito mais satisfatório.

  

 

4 CONCLUSÃO

 

            A acupuntura apresenta grande eficácia comprovada em vários estudos, para auxiliar na perda de peso e tratamento da obesidade, no entanto, também foi mostrada a importância da conscientização de que a saúde depende bastante de cada pessoa, de cada biótipo, de cada estrutura corporal, além de dieta equilibrada e exercícios físicos, a acupuntura sistêmica, auricular e a eletroacupuntura agem como forma complementar de tratamento. É essencial que o profissional da saúde tenha conhecimento de várias técnicas e formas de tratar seu paciente, pois a Medicina Tradicional Chinesa tem como filosofia tratar o ser como um todo e não apenas parte dele, não vai focar nos sintomas, mas sim as causas do problema, verificando a maneira mais eficaz de combate-lo. A acupuntura traz vários benefícios físicos, como a digestão e a eliminação dos resíduos, mas também trabalha o emocional, que com o equilíbrio energético vai ser tratado a ansiedade, a compulsividade em comer, além de reduzir o estresse, melhorar o sono e a auto-estima, como conseqüência  a diminuição das co-morbidades associadas. Contudo, existe ainda uma carência de estudos com maior número de pacientes, principalmente no Brasil, especificando as avaliações e as  técnicas de tratamento. A pesquisa revelou o grande interesse pelo assunto e a necessidade de novas pesquisas a respeito, contribuindo para a evolução dos estudos, que colaborem com os avanços da Medicina Oriental no Brasil, tendo em vista mais qualidade de vida e bem-estar para a humanidade.

 

REFERÊNCIAS

BAO, F.; WANG, F. Q. Effects of acupuncture on waist circumference and body mass index in females of obesity of different types. Zhongguo Zhen Jiu, 26(8):551-3; Aug 2006.

 

CABÝOGLU, M. T; ERGENE, N; TAN, U. The Treatment of Obesity by Acupuncture. J. Intern. Neuroscience, 116:165-175, 2006.

 

CABÝOGLU, M.T; ERGENE, N. Electroacupuncture therapy for weight loss reduces serum total cholesterol, triglycerides, and LDL cholesterol levels in obese women. The American J Chin Med, 33 (4), 525-533, 2005.

 

COHEN, R.; CUNHA, M.R. A Obesidade. São Paulo: Publifolha, 2004.

 

FANDINO, J. et al . Bariatric surgery: clinical, surgical and psychiatric aspects. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul ,  Porto Alegre,  v. 26,  n. 1, 2004.

 

 

FORNAZIERI, L. C. Tratado de Acupuntura Estética. São Paulo: Ícone, 2005.

 

 

FRANCISCHI, R.P.P. et al. Obesidade: Atualização sobre sua Etiologia, Morbidade e Tratamento. Rev Nutr., Campinas; v.13, n.1, Jan./Abr. 2000.

 

 

GAO, X.L. et al. Effect of acupuncture on serum insulin level in the patient of simple obesity. Zhongguo Zhen Jiu, 27(10):738-40, Oct 2007.

 

 

HE, L. Effects of acupuncture on body mass index and waist-hip ratio in the patient of simple obesity. Zhongguo Zhen Jiu, 28(2):95-7; Feb 2008.

 

 

HUANG, M.H., YANG, R. C., HU, S. H. Preliminary results of triple therapy for obesity. International J of Obesity and Related Metabolic Disorders, 20 (9), 830-836, 1996.

JINSHENG, H. Teaching Round – Acupuncture Treatment of Obesity. J Tradit Chin Med., 25 (4): 310-314, 2005.

KWON, Y. D.; LEE, J. H.; LEE, M. S. Increased temperature at acupuncture points induced by weight reduction in obese patients: a preliminary study. International J Neuroscience, 117, 591-595; 2007.

 

 

LACEY, J.M.; TERSHAKOVEC, A.M.; FOSTER, G.D. Acupuncture for the treatment of obesity: a review of the evidence. International J of Obesity, 27, 419–427; 2003.

 

 

LEE, E.W. Aurículo Acupuntura. 5. ed. São Paulo: Ícone, 2005.

 

 

LI, J. Clinical experience in acupuncture treatment of obesity. J Tradit Chin Med., 19: 48–51; 1999.

 

 

LI, Y. et al., The effect of acupuncture on gastrointestinal function and disorder. American J of Gastroenterology, 87 (10), 1372-1381, 1992.

 

 

MACIOCIA, G. The Foundations of Chinese Medicine. New York: Churchill Livingstone, 1989.

 

 

NOGIER, R.; BOUCINHAS, J.C. Prática fácil de Auriculoterapia e Auriculomedicina. 2. ed. São Paulo: Ícone, 2001.

 

 

NONINO-BORGES, C. B.; BORGES, R. M.; SANTOS, J. E. Tratamento clínico da obesidade. Medicina. Ribeirão Preto, 39 (2): 246-252, 2006.

 

 

OLIVEIRA, E. O; VELASQUEZ-MELENDEZ, G; KAC, G. Fatores demográficos e comportamentais associados à obesidade abdominal em usuárias de centro de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Rev Nutr. , Campinas,  v. 20,  n. 4, 2007. 

 

 

QUNLI, W; ZHICHENG, L. Acupuncture treatment of simple obesity. J Tradit Chin Med., 25 (2): 90-94, 2005.

 

 

ROMERO, C. E. M.; ZANESCO, A. O papel dos hormônios leptina e grelina na gênese da obesidade. Rev Nutr. , Campinas,  v. 19,  n. 1, 2006. 

 

SANTOS, F. J. Auriculoterapia e Cinco Elementos. São Paulo: Ícone, 2003.

 

 

SANTOS, S.; MOURA, M. T. Como enfrentar a obesidade. 2 ed. São Paulo: Ícone, 1988.

 

 

SEBOLD, LF; RADUNZ, V; ROCHA, PK. Acupuntura e enfermagem no cuidado à pessoa obesa. Cogitare Enferm., 11(3):234-8; set/dez 2006.

 

 

SHAFSHAK, T. S. Electro-acupuncture and exercise in body weight reduction and their application in rehabilitating patients with knee osteoarthritis. American J Chin Med., 23 (1), 15-25, 1995.

 

 

SOUSA, R. M. R. P. et al. Overweight and obesity prevalence in employees of healthcare units in Teresina, Piauí, Brazil, Rev. Nutr., Campinas, v. 20, n. 5, 2007.

 

 

SUN, Q; XU, Y. A survey of the treatment of obesity by traditional Chinese medicine. J Tradit Chin Med., 13: 124–128; 1993.

 

 

SZABÓ, M. V. R. S; BECHARA, G. H. Acupuntura: Bases científicas e aplicações, Cienc. Rural. Santa Maria, v. 31, n. 6, Dez. 2001.

 

 

VASQUES, F.; MARTINS, F. C.; AZEVEDO, A. Psychiatric aspects in the treatment of obesity. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo,  v. 31,  n. 4, 2004.

 

 

 

YAMAMURA, Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. 2.ed. rev. e ampl. São Paulo: Roca, 2004.

 

 

YIN, C. S. et al. Na evaluation of the cun measurement system of acupuncture point location. The American J Chin Med, 33 (5), 729-735, 2005.

 

 

 

ZHAO, H. Clinical observation on acupuncture for treatment of central obesity. Zhongguo Zhen Jiu., 26(9):629-31; Sep 2006.

 

 

ZHAO, M., LIU, Z., SU, J. The time-effect relationship of central action in acupuncture treatment for weight reduction. J Tradit Chin Med., 20 (1), 26-29, 2000.

 

             

 

 

 

 

 

 

 

 

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *