PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS LER/DORT NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

domingo , 8, setembro 2013 Leave a comment

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

CARLOS EDUARDO J. M. TAHARA

JAQUELINE GARCIA PEREIRA

 

 

 

 

 

 

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS LER/DORT NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

 

 

 

 

                                    Mogi das Cruzes

                                             2012

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

CARLOS EDUARDO J. M. TAHARA

JAQUELINE GARCIA PEREIRA

 

 

 

 

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS LER/DORT NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

 

Monografia   apresentada ao Programa de Pós-Graduação da

Universidade de Mogi das Cruzes, como parte dos requisitos

para   a  obtenção  do  título de  Especialista em Acupuntura.

 

 

Orientadores: Profª. Bernadete Nunes Stolai

                     e Profº. Luíz Bernardo Leonelli

                                                  Mogi das Cruzes

                                                           2012

 

CARLOS EDUARDO J. M. TAHARA

JAQUELINE GARCIA PEREIRA

 

 

 

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS LER/DORT NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

 

Monografia apresentada   ao  Programa de Pós-Graduação da

Universidade de Mogi das Cruzes, como parte dos requisitos

para  a  obtenção  do  título  de  Especialista em Acupuntura.

 

Aprovado em ______________________

BANCA EXAMINADORA:

 

 

 

 

Profª. Bernadete Nunes Stolai

UMC – UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

  

Profº. Luíz Bernardo Leonelli

UMC – UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

 _______________________________

Professor Convidado

 

 

 

 

 

Dedicamos este trabalho aos nossos pais, irmãos, professores e amigos pelo carinho e apoio incondicionais, por nos incentivarem e nos compreenderem nos momentos difíceis.

 

AGRADECIMENTO

 

 

 

À Deus por estar sempre ao nosso lado.

Aos nossos pais pela paciência, incentivo, atenção e carinho que tiveram conosco em todos os momentos.

Aos nossos orientadores Profª Bernadete Nunes Stolai e Profº Luiz Bernardo Leonelli, pela paciência, atenção e incentivo na condução da nossa pesquisa.

À todos os amigos e professores que nos acompanharam durante esses anos de pós-graduação e iluminaram o nosso caminho acadêmico.

 

 

 

RESUMO

 

 

A instrução normativa do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) usa a expressão LER/DORT para estabelecer o conceito da síndrome, pois abrange um aspecto mais real diante dos fatores causais, seus fatores de risco são multifatoriais e pertinentes ao ambiente, organização e as relações de trabalho. Este trabalho tem como objetivo principal verificar os aspectos da etiologia, fisiopatologia, prevenção e tratamento em pacientes portadores de Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). A Acupuntura tem sido muito utilizada, principalmente para o controle da dor em pacientes resistentes a outros tratamentos. Como resultado de tratamento obtivemos uma melhora no alivio da dor, onde o Canal de Energia Principal mais utilizado foi o da Vesícula Biliar pelo relaxamento dos tendões e músculos. A Acupuntura também é utilizada como técnica preventiva, curativa e reabilitadora, diante desses dados a Acupuntura visa a prevenção e o equilíbrio energético do indivíduo restabelecendo assim a harmonia e resgatando a saúde do indivíduo como um todo. Em conjunto com outras formas de tratamento convencional verifica-se a eficiência das mesmas, levando muitas vezes o indivíduo de volta a seu estado de saúde.

 

 

Palavras- chave: Acupuntura, LER, DORT, Tratamento.

 

 

 

ABSTRACT

 

 

The normative instruction of the National Institute of Social Security (INSS) uses the term RSI / WMSD to establish the concept of the syndrome, because it includes a more real face of the causal factors, their risk factors are multifactorial and related to the environment, organization and labor relations. This work has as main objective to verify aspects of the etiology, pathophysiology, prevention and treatment in patients with repetitive strain injury (RSI) and Work-Related Musculoskeletal Disorders (MSDs). Acupuncture has been used mainly to control pain in patients resistant to other treatments. As a result of treatment obtained an improvement in pain relief, where the Main Power Canal was the most common Gallbladder by relaxing the muscles and tendons. Acupuncture is also used as a preventive, curative and rehabilitative, before these data to Acupuncture aims to prevent individual’s energy balance and thus restoring harmony and recovering the health of the individual as a whole. In conjunction with other forms of conventional treatment verifies the efficiency of them, often leading the individual back to their state of health.

 

Key-Words: Acupuncture, READ, DORT, Treatment.

 

 

  

 

1      INTRODUÇÃO

 

As doenças ocupacionais não são recentes, no Brasil chega na década de 1980, quando começam a ser descritos os primeiros casos de LER em digitadores, bancários, telefonistas, operadores de caixa entre outros. Algumas situações propiciam esta alta incidência das DORTs, destacando-se a mecanização do trabalho, a organização do trabalho, a fragmentação das tarefas, a maior especialização e a maior repetição, também fatores psicossociais como trabalho monótono, pesado, inconsciente, pressão pelo tempo, baixo suporte social e fatores psicológicos individuais contribuem para gerar as DORTs. Consideram-se DORT quaisquer distúrbios que seguramente esteja relacionado ao trabalho, independente do segmento afetado, sendo que a etiologia deste conjunto de afecções é complexa e abrange vários fatores multifatoriais (AMERICANO, 2009).

A instrução normativa do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) nº 98, usa a expressão LER/DORT para estabelecer o conceito da síndrome e declara que elas não são fruto exclusivo de movimentos repetitivos, mas podem ocorrer pela permanência de segmentos do corpo em determinadas posições por tempo prolongado, a necessidade de concentração e atenção do trabalhador para realizar suas atividades e a pressão imposta pela organização do trabalho são fatores que interferem significativamente para a ocorrência da síndrome (BRASIL, 2003).

Nos anos de 1996 a 2001, foram abertos 532.434 CATs (Comunicação de Acidente de Trabalho) geradas pelas LER/DORT’s, a cada 100 trabalhadores da região Sudeste do Brasil, um (1) é portador das LER/DORT’s (AMERICANO, 2009).
Em 2007, segundo o Anuário Estatístico da Previdência Social, foi registrado oficialmente no Brasil 653.090 acidentes do trabalho, contra 512.232 ocorrências em 2006. Um significativo aumento de 27,50% ou, se preferirmos, em números absolutos, uma elevação de 140.858 acidentes do trabalho de um ano para o outro.

O insucesso dos programas terapêuticos das LER/DORT’s deve-se ao fato na falha do diagnóstico das reais etiologias da dor, da incapacidade de análise e dos fatores que contribuem ou agravam o quadro doloroso, sendo assim, a identificação das estruturas lesadas é importante para o melhor resultado no tratamento (CODO e ALMEIDA, 1998 p.49).

As empresas necessitam competir tanto no mercado mundial e assim buscam grande produtividade a menor custo, o que impõem muitas vezes ritmos de trabalho intensos, jornadas prolongadas, ambientes ergonomicamente inadequados, entre outros fatores (DANIELLOU, 1989).

Os indivíduos treinados, fisicamente condicionados, que mantêm posturas e movimentos corretos durante a jornada de trabalho, que inclui intervalos apropriados para descanso, terão maior probabilidade em desempenhar suas atividades no trabalho sem prejuízo da sua saúde, também um ambiente de trabalho organizado terá sempre uma baixa incidência de enfermidades músculo – esqueléticas (PEROSSI, 2001, p.34).

Toda doença é prejudicial à produtividade e a rentabilidade da empresa, seguramente o indivíduo que tem preparo, cuidado físico e satisfação com seu trabalho, será mais produtivo e menos sintomático (CODO, 1998, p.48).

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) consiste numa prática milenar consagrada, experimentada, amplamente testada ao longo de muitas gerações humanas, constituindo hoje um patrimônio da humanidade voltado para a preservação da capacidade vital da saúde. A Acupuntura tem sido muito utilizada, principalmente para o controle da dor em pacientes resistentes a outros tratamentos, a melhora se mantém por meses e são necessárias sessões periódicas de manutenção, também utilizada como técnica preventiva, curativa e reabilitadora para diversas enfermidades agudas ou crônicas com importante papel preventivo, um dos seus focos é o tratamento das desordens energéticas primárias e anteriores às doenças. (CHONG, 1993 p.76).

Uma das vantagens do tratamento por Acupuntura é apresentar menor efeito adverso quando comparado aos medicamentos utilizados no tratamento dos sintomas das LER/DORT’s (LIVRAMENTO, 2010).

Segundo Joacir (2005) a Acupuntura é útil como terapia alternativa ou como tratamento coadjuvante e deve ser incluído em programas de controle da dor em pacientes como LER/DORT, fribromialgia, tendinites, lombalgias ou em condições como dores de cabeça, tensão pré-menstrual dentre outras. A eficiência da Acupuntura começa no ponto da introdução das agulhas, pois o efeito da dor é bloqueado pela analgesia local ou regional.

Atualmente, a geração das LER/DORT no trabalho é reconhecida no campo científico mundial da saúde e do trabalho, demandar medidas de prevenção, tratamento e reabilitação destas no âmbito interdisciplinar entre a prática clínica, ergonomia, psicodinâmica do trabalho e da sociologia do trabalho, se mostra eficaz na prevenção. Prevenir as LER/DORT consiste em preservar o trabalhador entendendo-o como sujeito integral, incentivando consequentemente suas potencialidades (DIAS, 2004).

Deste modo, os objetivos deste estudo são correlacionar aspectos da etiologia, fisiopatologia, prevenção e tratamento das LER/DORT na Medicina Tradicional Chinesa e avaliar as ações de prevenção.

 

 

 

 

2      METODOLOGIA

 

Foi realizado um levantamento da literatura científica mundial utilizando-se pesquisas em artigos científicos e literaturas relacionados aos objetivos da pesquisa de LER/DORT.

As pesquisas foram feitas no acervo da biblioteca da Universidade de Mogi das Cruzes nas bases de dados como, Bireme, Scielo, Medline, Lilacs, Web Science como também nos Periódicos Capes.

 

 

 

3      ACUPUNTURA

 

        A palavra Acupuntura origina-se de duas palavras latinas: acus (agulha) e punctura (picada). A Acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste na inserção de agulhas através da pele nos tecidos subjacentes em diferentes profundidades e em pontos estratégicos do corpo para produzir o efeito terapêutico desejado (YAMAMURA, 2001, p. LIV).

A Acupuntura é uma terapêutica de base tradicional, cuja ação apóia-se sobre a regulação dos meridianos de energia existentes no organismo. A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) consiste na observação dos fenômenos da natureza, compreensão dos princípios que regem a harmonia na natureza e interação natureza-ser humano, a concepção filosófica chinesa a respeito do universo está apoiada em três “pilares básicos”: a teoria Yin-Yang, os Cinco Elementos e os Zang Fu (órgãos e vísceras) (MACIOCIA, 1996, p.89).

A primeira chama-se Yin-Yang, que é a união de duas partes opostas que existem em todos os fenômenos e objetos em relação recíproca no meio natural, como o dia e a noite, o calor e o frio e a atividade e o repouso (AUTEROCHE, 1992, p.123).

A segunda são os cinco elementos, os antigos chineses descreveram através da prática e da vida diária, da observação do meio ambiente e da natureza durante longo tempo, perceberam entre outras coisas que a madeira, fogo, terra, metal e água são fundamentos da constituição da vida. O desenvolvimento e as mudanças de todas as coisas e de todos os fenômenos são resultados do movimento contínuo, da interação, da dominância entre os elementos (CHONG, 1993, p.76).

A terceira são de que os Zang Fu (órgãos e vísceras), da Medicina Tradicional Chinesa diferem daquele da medicina ocidental, os órgãos Zang e as vísceras Fu, na concepção dos antigos chineses, representam, além dos conceitos da fisiologia ocidental, a integração dos fenômenos energéticos, que agem tanto nas manifestações somáticas como psíquicas (YAMAMURA et al, 1991, p. LVII).

Os órgãos têm a função de armazenar a essência dos alimentos, que proporcionam o dinamismo físico, visceral e mental, além disso, são estruturas geradoras e transformadoras de energia e do Shen (mente), são representados pelo: Fígado, Coração, Pulmão, Rins e Baço/Pâncreas (YAMAMURA, 2001, LIII).

As vísceras são estruturas tubulares e ocas que tem a função de receber, transformar e assimilar os alimentos além de promover a eliminação destes, elas são: vesícula biliar, estômago, intestino grosso, intestino delgado, bexiga e triplo aquecedor, segundo os chineses nós apresentamos cinco substâncias vitais: Qi (Energia), Jing (Essência), Shen (Mente), Xue (Sangue) e Jin Ye (Fluídos Orgânicos) (MACIOCIA,1996, p.90).

O Qi é uma substância essencial que se encontra em tudo e em todos é o princípio e o fim, contém tudo e está presente no nada, é a energia que rege todas as formas e seres seu equilíbrio é a base de todos seres  vivos saudáveis (YAMAMURA et al, 1991 p. LVI, LVII).

O Jing ou essência é a matéria fundamental da qual constitui o corpo, sendo essencial para efetuar as diversas atividades funcionais do corpo humano é constituída por três aspectos essência pré-Celestial, essência pós-Celestial e essência do Rim (AUTEROCHE,1992, p.125).

O Shen é responsável por governar a consciência, também considerado como na MTC como espírito onde o mesmo é uma parte integral do corpo, não um aspecto separado dele também controla o emocional e suas possíveis alterações (MACIOCIA,1996, p.91).

O sangue Xue é produzido a partir das substâncias dos alimentos após a transformação pelo Baço/Pâncreas e Estômago, possui as funções de nutrir e umedecer os tecidos e órgãos do corpo humano (CHONG, 1993, p.77).

Os Líquidos Orgânicos Jin Ye é a síntese de todos os líquidos do corpo: suor, lágrima, saliva, muco e urina, suas funções são de nutrir e umedecer os Zang Fu que se forma da água dos alimentos. Os canais de energia principais (meridianos) estão diretamente ligados aos Zang Fu, por onde circulam o Qi Xue (Energia e Sangue), promovendo a ligação interior/exterior e exterior/interior, distribuindo-se ao longo do corpo humano (YAMAMURA, 2001, LVII.)

Na concepção chinesa a etiologia das doenças vem do fato de acontecer uma desarmonia, ou seja, um estado de desequilíbrio na interação entre o corpo, o meio ambiente e as formas pensamentos; Além disso, a doença apresenta fatores básicos para seu entendimento tais como os fatores externos: vento, frio, calor, umidade, secura e o calor de verão, também fatores internos: Qi (energia), emoções (alegria, raiva, preocupação, mágoa, medo, temor e aflição) e os Zang Fu, esses fatores mistos como: nutrição, ocupação, trabalho, exercícios em excesso, relacionamentos, relações sexuais excessivas e parasitas estão associados à várias desarmonias (ROSS, 1994, p.44).

 

 

4      LER/DORT

 

A problemática da saúde do trabalhador, no Brasil, ganhou maior urgência a partir da década de 80, buscando a compreensão das relações entre trabalho e saúde-doença, que refletem a atenção à saúde ao exercício de uma abordagem multidisciplinar e intersetorial, além da importante participação dos trabalhadores junto aos sindicatos e suas reivindicações, com denúncias às políticas públicas e o sistema de saúde e, ainda, a questão das epidemias, tanto de doenças clássicas, como “as novas doenças relacionadas ao trabalho”, como as lesões por esforços repetitivos (LER) ou distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT) (MENDES 2004, p.87).

A sigla LER (lesões por esforços repetitivos) é insatisfatória, pois não determina outros tipos de sobrecarga que podem trazer prejuízos ao aparelho locomotor, dessa forma, a LER adquiriu um aspecto com ampliação ao termo DORT (Distúrbios Osteomusculares  Relacionados ao Trabalho) adotado pelos Ministérios da Saúde e da Previdência Social (BRASIL, 2006).

A instrução normativa do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) usa a expressão LER/DORT para estabelecer o conceito de síndrome e declara que elas não são frutos exclusivos de movimentos repetitivos, mas podem ocorrer pela permanência de segmentos do corpo em determinadas posições por longos períodos de tempo (Ministério da Saúde, 2001). A necessidade de concentração e atenção do trabalhador para realizar suas atividades e a pressão imposta pela organização do trabalho são fatores que interferem significativamente para a ocorrência de síndromes (BRASIL, 2003).

Vieira (1999) cita que o termo permitiu ampliar os mecanismos de lesão, não só restritos aos movimentos repetitivos, mas que também abrange formas clínicas peculiares a algumas atividades ocupacionais e ainda propõe o estabelecimento do nexo causal classificando-o como doença ocupacional. Percebe-se que a doença vem assumindo um caráter epidêmico, representando um dos grupos de doenças ocupacionais mais polêmicos no Brasil e no mundo (SALIM, 2003 p. 75).

Na década de 1990, houve um crescimento acelerado dos casos no Brasil, o que antes parecia uma síndrome isolada, causada pela susceptibilidade do trabalhador exposto a riscos hoje transformou-se numa epidemia, esse crescimento pode ser atribuído ao processo de reestruturação produtiva, que trouxe a precarização do trabalho, e ao reconhecimento social da LER, que se deu pela criação da Norma Técnica em 1991 (RIBEIRO,1997).

 

4.1    LER/DORT E FATORES DE RISCO

 

É importante destacar que as LER/DORT têm origem multifatorial, e o desempenho do trabalhador sofre influência de diversos fatores como o modo como ele lida com seus próprios comportamentos, suas crenças, exposição ao ambiente com ar condicionado, pressão da chefia, e outras infinidades de fatores, isso conduz a marcantes resultados sobre em sua doença; Já a imprecisão do diagnóstico dificulta o processo de se associar o adoecimento com o histórico profissional do trabalhador que apresenta os sintomas, todo esse conjunto e outros, levam muitas vezes a incapacidade deste trabalhador interferindo seu desempenho, no caso das LER/DORT’s, os trabalhadores, em geral, silenciam sua fadiga e dores durante muito tempo, com medo de punições, estigmas sociais e do desemprego, o que favorece a cronificação do processo fisiopatológico (ANTUNES, 2003 p.24).

Existem inúmeros trabalhadores com queixas de dor atribuída a seu trabalho. Os ônus gerados ao governo, às indústrias e aos trabalhadores, levam os meios médicos a realizar estudos e discussões que possam contribuir para uma melhor compreensão dessa patologia já considerada como epidemia na saúde brasileira (NAKACHIMA, 2009).

No fator ambiental, os indivíduos são expostos aos agentes físicos e fatores patogênicos (vibração, frio, calor, umidade, ruído, radiações, agentes químicos e ergonômicos) aos fatores principais da organização do trabalho encontram-se a pressão sobre o tempo de serviço; altas intensidades com gestos repetitivos, sobrecargas de trabalho, longas jornadas de trabalho com posturas inadequadas, nos fatores das relações de trabalho, destacam-se coações, ameaças e punições que levam à auto- aceleração e/ ou bonificações com intuito de se trabalhar mais sujeitando o trabalhador a condições muitas vezes penosas de trabalho (FRANCO, 2003).

Elaborar uma história clínica é saber onde e como o trabalhador desenvolve seu trabalho, observando no relato a rotina da atividade: duração da jornada de trabalho, existência de pausa, execução e freqüência de movimentos repetitivos, existência de sobrecarga estática, formas de pressão de chefias, mudanças no ritmo de trabalho, insatisfação, enfim, vários fatores predisponentes para o surgimento das LER/DORT. Além destes fatores é importante identificar a existência do ruído excessivo, mobiliário inadequado, desconforto térmico que também são fatores de risco para a ocorrência da doença (CUNHA, 2002, p. 47).

Na história ocupacional é fundamental fazer um levantamento dos empregos anteriores e suas características, independente da presença do vínculo empregatício, questões relacionadas às características dos sintomas e sinais como: tempo de duração, localização, intensidade, fatores de melhora e piora, tipos de tratamentos realizados e suas respectivas respostas, são aspectos que devem ser analisados à luz das características e condições de trabalho (DANIELLOU, 1989).

É sugerido que a avaliação deve contar com uma análise ergonômica, abrangendo o posto de trabalho e a organização do trabalho. Diante da impossibilidade de realizar a avaliação o médico poderá compreender as condições de trabalho através da simulação por parte do paciente dos movimentos realizados no decorrer do desempenho da atividade ou solicitar uma visita ao local de trabalho (DIAS, 2004).

O trabalhador necessita submeter-se a condições e ambientes inadequados de trabalho. Isso leva a uma perda gradativa do controle sobre o processo produtivo e ao aumento de seu desgaste físico e emocional. As doenças ocupacionais, entre elas, as LER/DORT’s, surgem desta forma de inserção dos trabalhadores dentro dos processos de trabalho, elas estão relacionadas a processos de trabalho cujas tarefas são

fragmentadas, desqualificadas, repetitivas e desprovidas de significado humano (DINIZ, 1998).

Acrescenta-se a estes fatores o ritmo acelerado de trabalho, objetivando a maior produção, além de todo um processo de isolamento e competitividade que acaba impossibilitando o aparecimento entre os trabalhadores com relação a solidariedade no trabalho. A Organização Científica do Trabalho ao reprimir a atividade intelectual dos trabalhadores, atinge negativamente sua vida psíquica, em suas dimensões cognitivas e afetivas que podem contribuir para o desencadeamento das LER/DORT. Com a economia globalizada do capitalismo ocorre uma mudança nas exigências do trabalho, com a automatização acelerada e a informatização, a organização do trabalho se modifica. O que se verifica nesse novo ciclo de desenvolvimento capitalista uma crise do modelo de produção: não há mais a necessidade da força bruta, porém requer movimentos leves, repetitivos, rápidos, acompanhando o ritmo da máquina, trabalho estático e uma atenção constante para que desenvolva as tarefas prescritas da melhor maneira possível. (FRANCO, 2003).

O processo saúde-doença dos grupos humanos e sua relação com o trabalho se constitui no objeto do campo da Saúde do Trabalhador, dentro de um determinado contexto histórico, onde o papel dos trabalhadores é fundamental na produção de conhecimento a respeito desse processo. Deste modo, a Saúde do Trabalhador, ao compreender o trabalho como espaço de submissão e dominação do trabalhador pelo capital e também de resistência e luta por melhores condições de vida e trabalho, busca entender o processo de adoecimento ao qual estão submetidos os trabalhadores (MENDES E DIAS, 1991).

A intensidade das cargas depende da forma de produzir, da organização do trabalho e divisão do trabalho, associadas às relações de força entre capital e trabalho, as cargas podem ser analisadas separadamente, mas na concretude do processo de trabalho elas interagem entre si e com o corpo do trabalhador. (DIAS, 2004).

As cargas físicas, ruídos, vibrações e umidade, que ocasionam alterações nos mecanismos fisiológicos humanos, podem ou não serem reversíveis; as cargas químicas, que consistem em poeiras, gases, vapores entre outras; as cargas biológicas, que incluem os microorganismos; e as mecânicas, decorrentes dos objetos e meios utilizados nos processos de trabalho, formam um conjunto de cargas que possuem materialidades próprias, que se manifestam objetivamente, independente do corpo do trabalhador e ao se interagirem com o corpo humano, acarretam danos à saúde do trabalhador, o outro grupo de cargas agrupa as cargas fisiológicas e psíquicas. As cargas fisiológicas se expressam, em condições de trabalho que submetem o trabalhador, a esforço repetitivo, posições incômodas, postura estática, rotação de turnos e etc. (ODDONE, 1996).

As cargas psíquicas se subdividem nas que provocam tensão prolongada ou sobrecarga psíquica, como atenção constante, ritmo de trabalho acelerado, trabalho perigoso, supervisão constante e sobrecarga psíquica que limita o uso da capacidade mental decorrente de atividades desprovidas de conteúdo, da separação entre concepção e execução do trabalho, hierarquia, ocasionando a desqualificação do trabalhador. O impacto das cargas de trabalho e o desgaste sobre as condições de saúde-doença dos grupos humanos, em determinado processo de trabalho, resulta das características próprias do sistema capitalista de produção, que estão presentes na luta entre capital e trabalho na busca de maior produtividade e competitividade associado às inovações tecnológicas, à exploração do trabalho e à acumulação do capital. Desta forma, a análise do processo de produção de maneira global é o que nos possibilita compreender como as cargas de trabalho e o desgaste atua sobre os trabalhadores, no que se refere às pressões derivadas da organização do trabalho (DIAS, 2004).

Cunha (2002), aponta que elas estão relacionadas à própria forma que o trabalho está organizado, a ergonomia tem pelo menos duas finalidades, uma é o melhoramento e a conservação da saúde dos trabalhadores e a outra é a concepção e o funcionamento satisfatórios dos sistemas técnicos do ponto de vista da produção e da segurança. O sofrimento patogênico é causado pelas pressões da organização prescrita do trabalho e desponta quando as possibilidades de liberdade de mudanças na organização do trabalho já foram utilizadas, ou seja, quando somente o medo, pressões, existem nesta organização; Quando todos os recursos defensivos forem utilizados, começa a aparecer a destruição do aparelho mental e do equilíbrio psíquico do sujeito, levando-o a uma descompensação ou doença.

Verifica-se que o diagnóstico correto depende sempre de uma equipe multidisciplinar com noções em LER/DORT e a eliminação completa ou em partes dos agentes causais e de uma adequada estratégia terapêutica acupunturista, medicamentosa, fisioterápica e, em alguns casos cirúrgica (KISNER, 2005, p.750).

 

 

4.2    LER/DORT DE ACORDO COM A MTC

 

Na MTC, os processos fisiopatológicos das LER/DORT’s estão relacionados às Síndromes de obstrução dolorosa, ou seja, as Síndromes Bi são síndromes decorrentes do bloqueio ou da obstrução dos meridianos e colaterais os chamados (canais de energias), dos membros que podem aprofundar e afetar os órgãos internos (Zang), abrangendo múltiplas doenças, tais obstruções/bloqueios podem se dar pela ação de agentes patogênicos externos (vento, frio, calor, umidade) e traumatismos que bloqueiam os fluxos de Qi e sangue em diferentes localizações: tendões, punhos, músculos, pele, ossos, órgãos internos conforme (ASSOCIAÇÃO ESTATAL DE MEDICINA E FARMÁCIA TRADICIONAIS CHINESAS, 2004, p.22).

Portanto, num determinado momento, a força relativa dos fatores climáticos patogênicos e do Qi do corpo é crucial para o desenvolvimento da síndrome. A dor articular é devido a uma estagnação de Qi Xue (energia e sangue), combinados causam os referidos bloqueios (AUTEROCHE,1996, p.123).

A base fisiopatológica da Síndrome Bi é o bloqueio do fluxo de Qi (Energia) e Xue (Sangue) nos meridianos, articulações e membros, com a redução da circulação energética conduz à estagnação de Qi e estase sangüínea, levando aos quadros de dor, contratura muscular, limitações de movimento cuja cronificação produz atrofia muscular e perda de função (LAM, 1991, p.57).

As etiologias principais da Síndrome de Obstrução Dolorosa podem ser devido a: Vento, Frio, Umidade e Calor (MACIOCIA,1996, p.89).

Para o diagnóstico das patologias na MTC, são observados a língua, pulso, orelha, olhos, face, constipação física, pele, pelos, tipo de dor, tórax, alimentação, paladar, fezes, urina, sono, estado emocional, história da moléstia atual e pregressa (ROSS,1994).

  

4.2.1 Quadros patológicos “relação doença síndrome”

 

As epicondilites são provocadas por ruptura ou estiramento dos pontos de inserção dos músculos flexores ou extensores do carpo no cotovelo, ocasionando processo inflamatório local que atinge os tendões, fáscias, músculos e tecidos sinoviais (SALIM, 2003 p.75).

Os tecidos não conseguem recuperar do estresse acumulado quando o trauma repetitivo é maior que sua capacidade de regeneração, os esforços repetitivos causam micro traumas cumulativos com enfraquecimento dos elementos estruturais dos tecidos com alterações degenerativas assim a recuperação é prejudicada ( LIU E HONG, 2005 p.55).

O conjunto de afecções etiológicas é bem complexa, pois  abrange vários fatores multifatoriais, entretanto a carga dinâmica, ou seja, o movimento repetitivo, isso geralmente solicita os músculos dos ombros, antebraços, punho e mãos para a execução das tarefas. A carga estática ou de contração isométrica mantida é geralmente requerida aos músculos do pescoço e da cintura escapular, afim de manter os membros superiores fixos em determinadas posições para executar as tarefas propostas levando ao caso de doenças ou mesmo o agravo das mesmas (HELFENSTEIN, 1998 p.29).

Pesquisas indicam que a incidência maior é no sexo feminino, justificada por questões hormonais, pela dupla jornada de trabalho, pela falta de preparo muscular para determinadas tarefas, tarefas monótonas e também por ter aumentado significativo no número de mulheres no mercado de trabalho (CODO, 1998, p.38).

Os fatores não ocupacionais devem ser sempre considerados, alterações da microvasculatura e da estrutura física dos tendões podem receber influências hormonais, bioquímicas, imunológicas, além de influência mecânica, as lesões degenerativas nos tendões podem surgir na população em geral a partir dos 35 anos de idade, quando a velocidade e qualidade de reposição tecidual tendínea é menor (BRICOT, 1999, p. 57).

Os tendões estão sujeitos ao estresse tensional pelos músculos e ao estresse compressivo dos ossos e ligamentos adjacentes, eles respondem mecanicamente a esses estresses com deformidades nas ligações moleculares entre suas matrizes tissulares, ocorrendo assim alterações fisiológicas, metabólicas e circulatórias, provavelmente por oclusão do fluxo sanguíneo e privação de nutrientes, essas alterações dependem da intensidade e da duração da freqüência exigidas no tendão levando a um quadro de tendinite (KISNER,2005, p.700)

A tendinite é uma inflamação do tecido com ou sem degeneração das suas fibras, a tendinite do supra espinhoso parece ser causadas por relações anatômicas do acrômio (compressão das fibras do tendão pelo acrômio ao realizar a abdução do ombro), levando a isquemia local e degeneração, muitas vezes causado por exercício muscular excessivo, traumas e atividades repetitivas dos membros superiores podem levar ao quadro de tendinites (MACIOCIA,1996,p.450).

A síndrome do túnel do carpo é decorrente da compressão do nervo mediano ao nível do carpo pelo ligamento anular, que se apresenta muito espessa e enrijecida. Devido ao estreitamento do espaço ao nível do túnel do carpo, a maior resistência no livre trânsito dos flexores dos dedos, como conseqüência ocorre o aumento do atrito entre tendões e ligamentos levando a dor, diminuição de força e alteração da sensibilidade (KISNER 2005, p.709).

O tratamento da Síndrome Bi e dos quadros correlatos a periartrite escápuloumeral, cotovelo de tenista, cervicalgias e outras pela MTC é feita com remoção da estase sanguínea e do desbloqueio dos canais, retirando a rigidez muscular e as dores. Vários recursos terapêuticos são utilizados: acupuntura, moxabustão, tui ná, fitoterapia e Qi Gong (AUTEROUCHE,1996,p.76).

A Medicina Chinesa parte do princípio de que tratar significa restituir ao indivíduo a sua capacidade inata de adaptação e transformação orgânica frente aos estímulos externos e internos, buscando restabelecer a sua força antipatogenica natural, essa força se expressa em energia vital, permite estar no mundo mantendo as relações entre indivíduo e meio ambiente pelo equilíbrio dinâmico de yin/yang, esse equilíbrio se reflete nos ciclos fisiológicos que se processam pela manutenção de fluxos adequados de energia, sangue e líquidos orgânicos no individuo, esses fluxos se dão através de uma rede de meridianos e canais secundários (MARTINS e GARCIA, 2003 p.528).

Para a Medicina Tradicional Chinesa, a dor resulta de condição de Excesso ou Deficiência de Qi ou Sangue. A estimulação e os pontos proximais, locais e distais restauram o equilíbrio e normaliza a causa da dor, a Acupuntura tem se mostrado eficaz como coanalgésico na dor e raramente é contra-indicada (TAFFAREL, FREITAS, 2009).

 

4.3    PREVENÇÃO

 

Qualquer programa de controle de riscos e prevenção de acidentes de trabalho necessita do comprometimento dos níveis hierárquicos mais altos da empresa, sem esse aval a prevenção não é seguida corretamente pelos médicos, gerentes ou supervisores, esses gerentes e supervisores são cobrados quanto à produção e tendem a esquecer aspectos básicos da prevenção de acidentes e doenças ocupacionais em detrimento dela, assim a prevenção só é efetiva quando a cobrança também estiver ligada ao aparecimento de casos de LER/DORT nos diferentes setores da empresa, isto é, quando a meta de não existência de casos de doenças ocupacionais for tão importante quanto às metas de produção (PALMEIRA, 2000).

A expressão Promoção da Saúde surgiu em 1945, para descrever uma das quatro tarefas básicas da Medicina relativas à prevenção de doenças, ao tratamento de doentes e à reabilitação, as ações de Promoção da Saúde englobam a promoção de condições de vida decentes, boas condições de trabalho, educação, exercício físico e descanso. Admitir a possibilidade de promover saúde implica, necessariamente, o rompimento da visão da doença como fatalidade e assumir que a doença não é uma fatalidade e que a saúde não é mera resposta a ser reproduzida. O modo negativo de conceber saúde não é inadequado, pois a saúde apenas como a ausência de doenças, revelando uma visão fragmentada do ser humano, baseada unicamente no modelo biomédico (CINTRA, 2010).

A doutrina biomédica traz implícita a idéia de que as doenças são objetos com existência autônoma; a perspectiva de uma “normalidade” é caracterizada por sua oposição à “patologia”, e a própria noção de saúde é definida como ausência de doença, por isso é tida como uma concepção negativa, em resposta a esta concepção “negativa”, dada pela área da Promoção da Saúde, ao contrário, é “positiva”, pois é ampliada, integrada, complexa e intersetorial, ao relacionar a saúde aos recursos sociais e pessoais, como às capacidades físicas, assim objetivando o bem-estar global. A área da Promoção da Saúde termina por ir além do setor Saúde, assim os autores propõem à Promoção de Saúde um papel de interferência, reunindo o conhecimento historicamente acumulado do processo saúde/doença como indicador das necessidades de intervenção com o objetivo de atingir as causas básicas da doença e, não apenas, evitar que elas se manifestem nos indivíduos e na coletividade (KOTTKE e LEHMMANN, 1994, p. 40).

Dentre as recomendações de ações de Promoção à Saúde, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estimula a integração das medicinas tradicionais nos sistemas de saúde, procurando promover estratégias de atuação mais amplas, que integrem, ao mesmo tempo, os requisitos de segurança, eficácia, qualidade, uso racional e acesso (JOACIR, 2005).

A atividade física durante o expediente de trabalho tem a importante tarefa de prevenção das doenças ocupacionais, bem como o sedentarismo, o bom estado físico do trabalhador garante a eficácia, além de diminuir os riscos de invalide decorrente do oficio ou de se aposentarem precocemente devido as doenças degenerativas (TAFFAREL E FREITAS, 2009).

A implementação de medidas preventivas é a melhor atitude a ser empregada, existe uma necessidade de melhorar a educação dos trabalhadores com condutas de orientação recomendações e de comunicações das experiências dos profissionais de saúde. É essencial que os trabalhadores tenham um bom ambiente de trabalho, com aperfeiçoamento técnico para realização de suas tarefas com respeito aos fatores ergonômicos e antropométricos, aos limites biomecânicos, à duração das jornadas de trabalho e dos intervalos para uma melhor atenuação dos fatores sintomáticos (KISNER, 2005, p.757).

Na MTC, os processos fisiopatológicos das LER/DORT’s estão relacionados às Síndromes de Obstrução Dolorosa, ou seja, as Síndromes Bi são síndromes decorrentes do bloqueio ou da obstrução dos meridianos e colaterais os chamados (canais de energias), dos membros que podem aprofundar e afetar os órgãos internos (Zang), abrangendo múltiplas doenças, tais obstruções/bloqueios podem se dar pela ação de agentes patogênicos externos (vento, frio, calor, umidade) e traumatismos que bloqueiam os fluxos de Qi e Sangue em diferentes localizações: tendões, punhos, músculos, pele, ossos, órgãos internos conforme (ASSOCIAÇÃO ESTATAL DE MEDICINA E FARMÁCIA TRADICIONAIS CHINESAS, 2004, p.22).

Portanto, num determinado momento, a força relativa dos fatores climáticos patogênicos e do Qi do corpo é crucial para o desenvolvimento da síndrome. A dor articular é devido a uma estagnação de Qi Xue (energia e sangue), combinados causam os referidos bloqueios (AUTEROCHE,1996, p.123).

A atual gestão do trabalho pelo medo permeia essas situações que, além de fatores patogênicos externos, traumatismo e enfraquecimentos decorrentes de excesso de trabalho, promovem nos indivíduos os chamados fatores patogênicos internos da MTC, pela exacerbação das emoções de raiva, medo, ansiedade, preocupação, tristeza entre outras, que cotidianamente devem ser silenciadas e contidas nos ambientes de trabalho, a cronificação destes estados leva a desorganização fisiológica e, provavelmente, aos distúrbios de saúde mental, cada vez mais freqüentes no mundo contemporâneo, muitos dos quais acompanham as LER/DORT’s (JOACIR, 2005).

A base fisiopatológica da Síndrome Bi é o bloqueio do fluxo de Qi (Energia) e Xue (Sangue) nos meridianos, articulações e membros, com a redução da circulação energética conduz à estagnação de Qi e estase sanguínea, levando aos quadros de dor, contratura muscular, limitações de movimento cuja cronificação produz atrofia muscular e perda de função (LAM, 1991, p.57).

As etiologias principais da Síndrome de Obstrução Dolorosa podem ser devido a: Vento, Frio, Umidade e Calor (MACIOCIA,1996, p.89).

A MTC pode contribuir muito para uma mudança de paradígma quanto ao trabalho, pois preconiza a necessidade de se respeitar os limites e trata-se de uma medicina que cujos princípios afirmam a necessidade de se equilibrar atividade e repouso, evitando excesso de trabalho físico/e ou mental, esses fundamentos apontam a necessidade de se rever, a duração e a intensidade da jornada de trabalho que estão incompatíveis com o equilíbrio fisiológico da grande maioria dos trabalhadores, a mudança da mentalidade sobre o trabalho é fundamental para que se evite e se reduza os desequilíbrios (CAPRA, 2005 p.98).

5      TRATAMENTO

 

A constituição de uma equipe de prevenção e tratamento, com a participação de educadores físicos, médicos, acupunturistas, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais é o ponto de partida para a investigação da doença, diagnóstico e o tratamento, todos os membros da equipe devem ter uma capacitação específica sobre LER/DORT (CEREST, 2004).

Como a Acupuntura faz parte dessa racionalidade integradora e vitalista da MTC (Medicina Tradicional Chinesa), acredita-se que seu tratamento tenha a possibilidade de promover o contato e o aprendizado de novas formas de se pensar o corpo a saúde e a doença viabilizando ações promotoras da mesma (AZAMBUJA, 2004).

O terapeuta deve, no tratamento, ensiná-lo a relaxar, ir direcionando-o a tomar consciência de seu corpo, orientá-lo a “escutar” os sintomas que lhe dizem o limite de seu corpo e a postura correta, partindo dessa tese o paciente consegue melhorar seu desempenho pessoal, minimizar as tensões musculares, tirar a atenção da dor e principalmente perceber suas limitações (PEROSSI, 2001, p.34).

A compreensão dos mecanismos fisiopatológicos da Dort é importante para orientar as condutas terapêuticas a serem adotadas, para instituir o tratamento se deve verificar se o paciente apresenta inflamação ou degeneração, alterações sensitivas ou motoras, edema e alterações psicológicas (SANTOS, 1998. p.565).

Apesar da abordagem terapêutica ampla, muitos pacientes permanecem sintomáticos, particularmente aqueles com diagnóstico de depressão, que estão insatisfeitos com seu trabalho, que acreditam terem adquirido “lesões” através das atividades desse trabalho e que estão envolvidos em alguma causa trabalhista, (NAKACHIMA, 2009).

Com o desequilíbrio ocorre a perda da força antipatogênica que corresponde um afastamento do indivíduo em relação à natureza e suas leis, esse afastamento resulta em desequilíbrio que podem traduzir em sinais e sintomas, configurando um processo de adoecimento. Os reequilíbrios se dão através dos exercícios de desbloqueio, circulação e captação de energia, trabalhando os canais/meridianos tendinomusculares, canais principais, vasos maravilhosos e o metabolismo dos órgão internos (LIVRAMENTO, 2010).

O sucesso do tratamento está diretamente relacionado com um correto diagnóstico instalado precocemente e no início imediato do tratamento, juntamente com o afastamento do exercício da atividade que provocou o dano. O tratamento depende do estágio da doença e quanto mais cedo for feito o diagnóstico e a intervenção, menos invasivo será o tratamento. Este, por sua vez consiste basicamente na fisioterapia, Acupuntura, repouso articular ou do membro afetado, uso de medicamentos (antiinflamatórios, analgésicos, tricíclicos), de sorte que o indivíduo que apresente essas alterações deverá ainda realizar mudança do hábito de vida e em casos extremos, podem ser utilizados procedimentos cirúrgicos (MAGALHÃES, 1998).

O tratamento fisioterapêutico consiste em: termoterapia (calor profundo como ondas curtas ou ultra-som), eletroterapia, massagens, cinesioterapia, hidroterapia, órteses, RPG e outras técnicas como a Acupuntura, o fisioterapeuta deve levar em consideração tanto o estágio evolutivo da doença, como as respostas do paciente a tratamentos anteriores (PEROSSI, 2001, p.34).

Os objetivos do tratamento são o alívio da dor e o repouso do tendão inflamado, o tratamento conservador oferece a vantagem de evitar a cirurgia e as suas complicações inerentes (infecção, lesões nervosas e do deltóide), suas desvantagens são possibilidade de recorrência dos sintomas e, mais importante, o agravamento da lesão e alterações degenerativas crônicas (atrofia, degeneração gordurosa e retração dos tendões) que poderiam complicar um eventual tratamento cirúrgico futuro e influenciar negativamente na qualidade de seu resultado final. O tratamento cirúrgico oferece a possibilidade de alívio da dor e, possivelmente, a prevenção de alterações crônicas, os riscos e benefícios do tratamento cirúrgico e não cirúrgico devem ser considerados e discutidos com o paciente (ANDRADE, 2004).

As cirurgias são indicadas apenas em casos específicos, analisando bem os possíveis riscos e benefícios, uma vez que uma cirurgia mal indicada poderá prejudicar o quadro clínico, dificultando a reabilitação e retorno do paciente à sua atividade normal. O apoio psicológico do paciente portador de LER/DORT também é de grande importância para o sucesso do tratamento (MENDES E DIAS, 1991).

O tratamento conservador oferece a vantagem de evitar a cirurgia e as suas complicações. Suas desvantagens são possibilidade de recorrência dos sintomas e, mais importante, o agravamento da lesão e alterações degenerativas crônicas (atrofia, degeneração gordurosa e retração dos tendões) que poderiam complicar um eventual tratamento cirúrgico futuro e influenciar negativamente na qualidade de seu resultado final. O tratamento cirúrgico oferece a possibilidade de alívio da dor e, possivelmente, a prevenção de alterações crônicas (ANDRADE, 2004).

5.1    TRATAMENTO COM ACUPUNTURA

 

Para Hirakui (2010), todo o processo patológico das dores viscerais e periféricas é devido à alteração do equilíbrio entre o yin e o yang, antes de iniciar o tratamento destas algias deve-se harmonizar o yin e o yang, frequentemente, se utiliza pontos de Acupuntura que fazem a ligação entre yin e yang, exterior e interior, alto e baixo, sendo que estas são adquiridas graças a quatro pontos: E36, F3, IG4, IG11.

Cândido (2004), diz que os Vasos Maravilhosos são meridianos que equilibram os Vasos Principais quando há desequilíbrio neste, seja por excesso ou deficiência agem como se fossem grandes comportas drenando o excesso e repondo a deficiência, conduzem a energia ancestral dos Rins para diferentes partes do corpo, inclusive para os meridianos principais, além de receberem e distribuírem as energias de defesa e nutridora para os meridianos, no tratamento das LER/DORT o Vaso Maravilhoso é escolhido a partir da queixa principal do paciente.

A energia do Yang Qiao Mai percorre o trajeto do maléolo medial pela via Yin Qiao Mai através do canal de energia do Shen (Rins) e, daí, passa para o canal de energia do Pangguang (Bexiga) pelo canal de energia Luo Transversal do Shen, cujo ponto Luo é o R4, e o ponto Yuan do canal de energia principal do Pangguang é o B64, para tanto, quando se tem um acometimento do canal Yang Qiao Mai, usar como ponto de abertura e fechamento, respectivamente, ID3 e B62. No tratamento do Yang Qiao Mai, depois de punturar o ponto de abertura, usar pontos sintomáticos como: VG2, B43, B40, B61, B59, VB29, ID10, IG15, IG16, E4, E3, B1, VB20, VG16 e depois o ponto de fechamento (FREITAS, 2004).

O mesmo autor ainda relata que para tratamento das LER/DORT, como as patologias de ombro, quadril, tornozelo e contraturas musculares situadas no trajeto do Yang Qiao Mai os pontos sintomáticos utilizados variam de acordo com a localização da patologia: na ombralgia é utilizado o ponto de abertura ID3, os pontos sintomáticos IG15, IG16, ID10 e o ponto de fechamento B62.

A energia do Vaso Yang Wei Mai tem início no canal de energia principal da Bexiga no B63, deste ponto o canal de energia percorre a face lateral da perna junto ao canal principal da Vesícula Biliar até o ponto VB29 localizado no quadril, de onde segue para o canal de energia principal do Intestino Delgado ID10, desse ponto, passa para o TA15 do canal de energia principal do Triplo Aquecedor, depois para o VB21, em seguida alcança o canal de energia principal Yang Ming e retorna ao canal de energia intermediário Shao Yang, seguindo pelos pontos VB13, VB14, VB15, VB17, VB19, VB20, e desses pontos vai para o VG16 e VG15 do canal de energia curioso Du Mai (FREITAS, 2004).

Para as patologias de mãos, pés e dedos, tremores dos quatro membros, inflamação de tendões, artrites, artroses e reumatismo articular agudo da área do quadril e principalmente de membros inferiores Minori (2006), relata que o Vaso Maravilhoso Dai Mai que se inicia no ponto VB26 e termina no mesmo ponto, após rodear a cintura, onde a circulação energética depende do ponto Iu do canal de energia principal da Vesícula Biliar, os pontos utilizados neste vaso são VB41, TA5, F13, VB26, VB27 e VB28.

A deficiência dos Rins-Yin ou Yin Orgânico predispõe ao estado de Yang do sistema músculo esquelético que se manifesta por algias em diferentes níveis e tipos como a fibromialgia, lombalgia, cervicalgia, mialgia, cefaléia, braquialgia, ombralgia,  gonalgia (GAMEZ E LABAÑINO,2011).

Segundo Sanchez et al. (2004), cita que os  pontos para tratar a fibromialgia são: CS1, CS6, TA2, TA16, VG2, VG20, F5, VB1, VB30, VB40, VB43, R2, R3,R4, R7, IG2, B40 e B43, o ponto VB34 é considerado o “ponto do fisioterapeuta”, não pode ser esquecido por ser relaxante muscular, indo de encontro a um dos principais problemas do fibromiálgico, dor e tensão muscular, tratando também as LER/DORTs.

Na pesquisa feita por Rodrigues e Silva (2003), foi utilizado além dos pontos dos 5 elementos e dos canais curiosos, os pontos baseados na técnica SHU-MO com os seguintes pontos: SHU – B18, B19, B20 e B23; MO – F14, VB24, e VB25. Justificando que não trata patologia específica, mas esta técnica aborda os órgãos comprometidos auxiliando no equilíbrio energético dos Zang Fu.

As cervicalgias e cervicobraquialgias podem ter origem no acometimento dos canais de energia Tendinomusculares, Luo Longitudinais, Principais, Curiosos e Distintos, geralmente estão associadas a outros sintomas álgicos ou a doenças orgânicas, já a ombralgia aparece como manifestação de estagnação de Qi e de Xue que ocorre nos canais de energia principais, se a estagnação de Qi for do tipo Yang além da dor, surgem processos inflamatórios (bursites e tendinites), se for de característica Yin, pode se manifestar por depósito de cálcio nos tendões (MENDONÇA E ASSUNÇÃO, 2005).

Na epicondilite, ocorre a estagnação de Qi nos canais de energia Tendinomusculares e nos canais de energia principais que passam na articulação, esses dois tipos de canais de energia são geralmente acometidas por energias perversas (calor e frio), uma outra causa é a fraqueza de Qi do cotovelo devido alterações  de Qi do Fei (Pulmão) (CHAO, 2009).

Para o tratamento de epicondilite lateral o autor Senna (2005), cita pontos locais como IG11, IG10, IG12, TA10, P5, pontos a distância como IG4, P7, VB34, IG7 e R6, já na epicondilite medial o mesmo autor ainda cita que pontos locais utilizados são C3, ID8, pontos a distância ID3, CS6, C6 auxiliando assim o tratamento da LER/DORT instalada.

O aparecimento de processos álgicos localizados no punho deve-se às alterações de Qi do Xin (Coração) e dos canais de energia Tendinomusculares e Canais Principais que nessa região percorrem, as dores localizadas no punho e na mão são consequentes aos distúrbios energéticos dos canais de energia que mantêm conexão com a área afetada, por isso as dores dessa região podem ser isoladas ou pertencer a quadro sindrômico, como Yang Qiao Mai ou Yin Qiao Mai (FRANCA E FERNANDES, 2004).

Segundo  Araújo (2006), afirma que para tratamento das LER/DORTs instaladas no punho, como a Tenossinovite Estenosante de Quervain os pontos de Acupuntura utilizados são P7, P8, IG5, IG4,P6 e C9, já na Síndrome do Túnel do Carpo os pontos utilizados para o tratamento desta patologia são CS7 como o ponto mais importante, inserindo a agulha dentro do túnel do carpo, o ponto CS6, TA5, IG4, CS4, CS5, ID3, IG3.

Yamamura (2001, p.558) também refere que além dos Vasos Maravilhosos, também podem ser usados como tratamento das LER/DORTs os Canais de Energia Tendinomusculares, eles são canais secundários grandes e superficiais de caráter Yang que se situam entre tendões, músculos, articulações e pele com ramificações nos membros superiores, inferiores, no toráx, no dorso e na cabeça. A patologia energética dos Tendinomusculares reflete-se nas atividades dos tendões, dos músculos e das articulações, além das manifestações álgicas e febris

O tratamento das afecções energéticas dos Tendinomusculares são baseados na fisiopatologia energética, assim se o Canal de Energia Principal estiver vazio de Qi e Xue os Canais de Energia Tendinomuscular também estarão vazio, propiciando a penetração de Energias Perversas, para ocorrer o equilíbrio deve fortalecer o Canal de Energia Principal e derivar o Qi para o Canal de Energia Tendinomuscular estimulando o ponto Ting (YAMAMURA, 2001, p.559).

Joaquim (2007), Os canais de energia sofrem o processo de estagnação de Qi e de Xue quando são acometidos por Energias Perversas, ocasionam além da dor, processos inflamatórios, derrames sinoviais, artrites e artroses. Na dependência do tipo e das características das Energias Perversas as afecções de punho, ombro e cotovelo são utilizados os Canais Tendinomusculares verificando os pontos dolorosos e localizando os determinados canais de energia envolvidos.

O mesmo autor ainda refere que para o tratamento deve-se utilizar os pontos Ting Yin dos membros superiores C9, P11 e CS9 e utilizar o ponto de encontro desses canais no ponto VB22, já se a afecção for na parte externa do braço/ombro, deve-se utilizar os pontos Ting Yang dos membros superiores ID1, TA1, IG1 e utilizar também o ponto de encontro desses respectivos canais no ponto VB13.

O processo de adoecimento do LER inicia se com a exposição aos fatores de risco e em decorrência possui influência no aspecto mental, seu tratamento consiste em, acalmar a mente CS6, BP4, CS7, VG20, regularizar o Fígado: aplicar moxa em: B18, B19, puncionar  F3 e F8, relaxar os tendões: VB34, B40, TA5, VB41, VB43 e circular Jue Yin: CS8, CS7, F2 e F3. A localização da dor e os sintomas associados dependem do canal de energia afetado, sendo esse fato utilizado como meio de diagnóstico (YAMAMURA, 2001, p.849).

Assim, a escolha dos pontos deve ocorrer de acordo com o percurso do meridiano e a distribuição dos nervos que atravessam a área de acontecimento da dor (TAFFAREL, FREITAS, 2009).

  

6       CONCLUSÃO

 

 Pode-se concluir com esta pesquisa que os fatores causais das LER/DORT’s são multifatoriais e abrangem um aspecto muito amplo de fatores de risco, podendo ser relativos ao ambiente onde os indivíduos são expostos, os agentes físicos (Vibração, Frio, Calor, Umidade, Ruído, Radiações, entre outros), os agentes químicos, os ergonômicos, as relações e à organização do trabalho (clima organizacional,pressão de tempo, alta intensidade de atividades e gestos repetitivos dentre outros).

A fisiopatologia se desenvolve dependendo da intensidade e da frequência com que os indivíduos se expõem aos fatores causais, desencadeando assim o desequilíbrio e a perda da força de defesa do organismo isso se traduz em sinais e sintomas, configurando um processo de adoecimento.

O problema diminui ou se resolve com as devidas formas de prevenção, observando-se e atuando de forma correta na rotina das atividades dos indivíduos quanto à duração da jornada de trabalho, existência de pausa, execução e frequência de movimentos repetitivos, existência de sobrecarga estática, formas de pressão de chefias, mudanças no ritmo de trabalho, insatisfação, enfim, vários fatores predispõem para o surgimento das LER/DORT, além destes fatores é importante identificar a existência do ruído excessivo, mobiliário inadequado, desconforto térmico que também são fatores de risco para a ocorrência da doença.

O sucesso do tratamento esta diretamente relacionada com a atenção aos fatores de risco, um correto diagnóstico instalado precocemente e no início imediato do tratamento, juntamente com o afastamento do exercício da atividade que provocou o dano, o tratamento depende do estágio da doença e quanto mais cedo for feito o diagnóstico e a intervenção, menos invasivo será o mesmo.

Conclui-se que a Acupuntura mostra-se como uma alternativa de terapia no controle da dor, já que possuem mínimos efeitos adversos e contraindicação, ela pode ser utilizada para promover analgesia, acalmar a mente e relaxar os tendões, através da literatura pesquisada neste trabalho o Canal Principal que foi mais utilizado foi o da Vesícula Biliar que controla a fisiologia muscular usando o ponto VB34 que tem a função de relaxar os tendões. Os pontos CS6 e IG4 foram os mais utilizados para acalmar a mente e desobstrução do Qi estagnado. A revisão da literatura científica demonstra a necessidade de realização de mais estudos científicos para melhores resultados.

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

AMERICANO, M. J. Prevenção às LER/DORT; disponível em: http://www.healing-tao.com.br/artigos/lerdort.htm, acessado em 04/12/2009.

 

ANDRADE, R. P; FILHO, M. R. C.C; QUEIROZ, B. C. Lesões do Manguito Rotador.2004. Disponível em:

http://www.rbo.org.br/materia.asp?mt=989&idIdioma=1. Acesso em: 14 de março de 2010.

 

Anuário Estatístico da Previdência Social/Ministério da Previdência Social, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social – Ano 1 (1988/1992) – Brasília: MPS/DATAPREV, 2007.

ANTUNES, R. Os caminhos da liofilização organizacional: as formas diferenciadas da reestruturação produtiva no Brasil, São Paulo. Idéias. 2003.

 

ARAÚJO, A. P. S.; ZAMPAR, R.; PINTO, S. M. E. Acupuntura no tratamento de indivíduos acometidos por distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (dort)/ lesões por esforços repetitivos (LER). Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.10, n.1, p.35-42, 2006.

 

ASSOCIAÇÃO ESTATAL DE MEDICINA E FARMÁCIA TRADICIONAIS CHINESAS – AEMFTC. Farmacologia e medicina tradicionais chinesas. São Paulo. Roca, 2004.

 

AUTEROCHE, B. O diagnóstico na Medicina Chinesa. 1ª ed. São Paulo. Andrei, 1992.

 

AZAMBUJA, M. I. R; TSCHIEDEL, P. S. N.; KOLINGER, M. D. D. Síndrome miofascial e síndrome de dor regional complexa em pacientes com LER/DORT atendidos em ambulatório de saúde do trabalhador do SUS – identificação e caracterização clínica dos casos. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 176-184, jul./set. 2004.

 

BRASIL, Instrução Normativa n. 98. Ministério da Previdência Social; 2003.

 

BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

 

BRASIL. Ministério da Saúde. Lesões por Esforços Repetitivos (LER)/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT): Dor relacionada ao trabalho. Protocolos de atenção integral à Saúde do Trabalhador de Complexidade Diferenciada. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

 

BRICOT, B. Posturologia. São Paulo, Ícone, p.57,1999.

 

CÂNDIDO, M.R.; Ribeiro, R.C.S.; Lemos, S.F. A Eficácia da Acupuntura no Tratamento da Fibromialgia. Rev. Soc. Bras. Fis. Acup. n.5, v.1, 2004.

 

CAPRA, F. O Ponto de Mutação. 25ª ed. São Paulo: Cultrix, p.98, 2005.

 

CEREST/SP (CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO). Programa de Atendimento com Terapias Complementares -Acupuntura e Afins- na Prevenção e Tratamento às LER/DORT. São Paulo: 2004.

 

CINTRA, M. E. R.; FIGUEIREDO, R.; Acupuntura e promoção de saúde: possibilidades no serviço público de saúde. Interface “scielo”, São Paulo, v.14, n.32, 2010.

 

CHAO, E.C; Effectiveness of acupuncture in relieving pain refractory to conventional pharmacological therapy. Rev. Soc. Esp. Dolor v.16 n.2 Narón (La Coruña), 2009.

 

CHONG, T. H. Tratamento de Medicina Chinesa. 1ª ed. P.76. São Paulo. Roca, 1993.

 

CODO, W; ALMEIDA, M. C. LER – Lesões por Esforços Repetitivos. 4ª ed. São Paulo: Vozes, 1998.

 

CUNHA, C.E.G. LER: Lesões por esforços repetitivos revisão. Revista

Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo: FUNDACENTRO, v. 20, n. 76, p. 47- 58, 2002.

 

DANIELLOU, F. et al, Fixação e realidade do trabalho operário. Revista

Brasileira de Saúde Ocupacional, n. 68 v. 17, p. 7-13, 1989.

 

DIAS, E. C., A atenção a saúde dos trabalhadores no setor saúde (SUS), no Brasil: realidade, fantasia ou utopia? 432 f. Doutorado. Departamento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Ciências Médicas, UNICAMP, 2004.

DINIZ, C. A. & FERREIRA JUNIOR, M., Prevalência de sintomas musculoesquelético em operadores de checkout em supermercados. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo: FUNDACENTRO, v. 25, n. 93/94, p. 75-91, 1998.

 

FRANCA, D; FERNANDES, V.S. Kinetic acupuncture as potential effect of movement modulation elements in treatment of sport injuries. Revista Fisioterapia. Brasil, v.2, n. 5, p.57, 2004.

 

FRANCO, T. Trabalho alienado: habitus & danos à saúde humana e ambientais O trabalho entre o céu, a terra e a história. 254 f. Tese (Doutorado) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

 

FREITAS FILHO, C. H. B.; SILVA, J. R. T. da; SILVA, M. L. Princípios

Etiológicos e de Diagnose em Fibromialgia e seu Tratamento Através da

Acupuntura. Rev. Soc. Bras. Fis. Acup. n. 6, v.5, 2004.

 

GAMEZ, S.G, LABAÑINO, R.R et al; Therapeutic efficacy of acupuncture in patients with low back pain. Revista  Medisan. Santiago de Cuba: v.15 n.3, 2011.

HELFENSTEIN JR, M. Lesões por esforços repetitivos: conceitos básicos.ed. Manole; São Paulo, 1998.

 

HIRAKUI, T. Acupuntura, uma terapêutica alternativa no tratamento

da fibromialgia. Artigo de conclusão da graduação UNIBAN – SP. Disponível

em: http://interfisio.locaweb.com.br/index.asp?fid=105&ac=1&id=6. Acesso em: 08 de agosto de 2010.

 

JOACIR, J. S. A abordagem psicosomática e os sistemas energéticos. 125f. Monografia, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade do Distrito Federal, Brasília, 2005.

 

JOAQUIM, J.G.F. Use of acupuncture on the articular syndrome: first or last option. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v.2, p.69,2007.

 

KISNER, C. COLBY, A. L. Exercícios Terapêuticos.  4 ed. São Paulo: Manole, 2005.

 

KOTTKE, F. J; LEHMANN, J. F. Tratamento de medicina física e reabilitação krusen. São Paulo, Ed. Manole, 1994.

 

Lansdown H; Howard K. Acupuncture for pain and osteoarthritis of the knee: a pilot study for an open parallel-arm randomised controlled trial. BMC Musculoskelet Disord.v.10, 2009.

 

LAM, K. C. O caminho da energia. São Paulo: Manole, 1991.

 

LIVRAMENTO, G. et al, A ginástica terapêutica e preventiva chinesa Qi gong como um dos instrumentos na prevenção e reabilitação das ler/dort. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, n. 121 v. 35, p. 74-86, 2010.

 

LIU, G. W.; HONG, J. P. Tratado contemporâneo de acupuntura e moxabustão. São Paulo: Ceimec, 2005.

 

MACIOCIA, G. Os Fundamentos da Medicina Chinesa. 1ª ed. São Paulo. Roca, 1996.

 

MAGALHÃES, L.V., A dor da gente: representações sociais sobre as Lesões por Esforços Repetitivos. 84f Tese de Doutorado. UNICAMP, 1998.

 

Martins, E; Leonelli, L. Do-In, Shiatsu e Acupuntura. Uma Visão Chinesa do Toque Terapêutico. SP. Roca, 1998.

 

MARTINS, E. I. S. GARCÍA, E. G. Pontos de acupuntura: guia ilustrado de referência, São Paulo: Roca, 2003.

 

MENDES, R. Patologia do Trabalho. p. 87. 2ª ed. Rio de Janeiro. Atheneu, 2004.

 

MENDES, R; DIAS, E. C.,. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador.

Revista de saúde pública, São Paulo, v.25 n.5 p.341-349, 1991.

 

MENDONÇA, H.P.; ASSUNÇÃO A.A. Association between shoulder diseases and work: a brief review. Revista Bras. Epidemiol, Belo Horizonte,v.2, p.177, 2005.

 

MINORI, A. E. T.; MEJIA, D. P. M.; Atuação da Acupuntura para o tratamento de L.E.R./D.O.R.T. Artigo de conclusão da pós- graduação Faculdade Ávila- GO. Disponível em: http://portalbiocursos.com.br/artigos/acupuntura/09.pdf. Acesso em 09 de abril de 2012.

 

NAKACHIMA, L. R. Lesões por Esforços Repetitivos ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho Disponível em: www.fundacentro.gov.br/CTN/forum_maos_ler_dort.htm. Acessado em 04/12/2009.

 

ODDONE, I., et.al, Ambiente de Trabalho: A luta dos Trabalhadores pela saúde. São Paulo: Hucitec, 1996.

 

PALMEIRA, G. Acupuntura no Ocidente. Revista de Saúde Pública. v.6, n. 02, p.77, 2000.

 

PEROSSI, S. C. LER/DORT – Abordagem Psicossomática na Fisioterapia. In: Revista Fisio &Terapia, v.1, p.34, 2001.

 

RODRIGUES, A.; SILVA, M. I. Fibromialgia: Dor Crônica Através dos 5 Elementos, Pontos Shu-mo e Canais Curiosos. Rev. Soc. Bras. Fis. Acup. v1, n.2, p.26, 2003.

 

ROSS, J. Sistemas de Órgãos e Vísceras da Medicina Tradicional Chinesa. 1ª. Ed. São Paulo. Roca, 1994.

 

SALIM, C.A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo, 2003.

 

SANCHEZ, H. M.; MORAIS, E. G.; LUZ, M. M. M. Acupuntura Fisioterapêutica no Tratamento da Fibromialgia: Uma Revisão. Rev. Soc. Bras. Fis. Acup. v.1, n.3, p. 45, 2004.

 

SANTOS, S. B.; BARRETO, S. M. Algumas considerações metodológicas sobre os estudos epidemiológicos das lesões por esforços repetitivos (LER). Cadernos da Saúde Pública, v. 14, n.3, p. 555-556, 1998.

 

Senna, F. V.; Santos F. D. F.; Sebastião D. Acupuntura cinética como tratamento coadjuvante na qualidade de vida de pessoas com distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Rev. Fisioter. Bras; v.6, n.3, p.204-210, 2005.

 

TAFFAREL, M.O;FREITAS, P.M.C. Acupuntura e analgesia: aplicações clínicas e principais acupontos,  Rev. Ciência Rural, v. 39, n.5, p. 43, 2009.

 

 

VIEIRA, L. M. Prevenção das LER/DORT em pessoas que trabalham sentados e usuários de computadores, 1999. Disponível em: www.pclq.usp.br/jornal/prevencao.htm, Acessado em 04/12/2009.

 

YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: a arte de inserir. 2ª ed. São Paulo: Roca, 2001.

 

YAMAMURA, Y; OLIVEIRA, D. S. Introdução ao Tai Chi Chuan, Tui Ná e Tao Yin. São Paulo: Centro de Pesquisa e Estudo da Medicina Chinesa, ed. Roca,1991.

 

 

 

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *