DIAGNÓSTICO E FISIOPATOLOGIA DA OLIGOZOOSPERMIA NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

segunda-feira , 9, setembro 2013 Leave a comment

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

ELIANE YUMI MORY

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DIAGNÓSTICO E FISIOPATOLOGIA DA OLIGOZOOSPERMIA NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MOGI DAS CRUZES

2011

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

ELIANE YUMI MORY

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DIAGNÓSTICO E FISIOPATOLOGIA DA OLIGOZOOSPERMIA NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

  

Monografia   apresentada ao Programa de Pós-Graduação da

Universidade de Mogi das Cruzes, como parte dos requisitos

para   a   obtenção   do título de Especialista em Acupuntura.

 

Orientadores: Profa. Bernadete Nunes Stolai e 

  Prof. Luiz Bernardo Leonelli

 

 

MOGI DAS CRUZES

2011

ELIANE YUMI MORY

 

 

  

DIAGNÓSTICO E FISIOPATOLOGIA DA OLIGOZOOSPERMIA NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

 

Monografia   apresentada ao Programa de Pós-Graduação da

Universidade de Mogi das Cruzes, como parte dos requisitos

para   a   obtenção   do título de Especialista em Acupuntura.

 

 

Aprovado em …………………………

 

 

 

 

BANCA EXAMINADORA:

 

 

 

 

Profa.  Bernadete Nunes Stolai

UMC – UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

 

Prof. Luiz Bernardo Leonelli

UMC – UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

 

 

 

Professor Convidado

 

 

 

 

 

RESUMO

 

 

A oligozoospermia é definida pela OMS  como a variável seminal caracterizada por apresentar densidade espermática <20×106 espermatozóides/mL. Este distúrbio, geralmente, é associado com um aumento de espermatozóides anormais no ejaculado e na vitalidade e no teste de penetração espermática, alterações que são relacionadas com infertilidade. As principais causas de oligozoospermia são: infecções genitais, varicocele, entre outras.    A explicação da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) para o desenvolvimento sexual e reprodução destaca a importância do Jing Shen (essência ancestral do Rim), que aqui tem dois significados: substâncias nutritivas e hormônios importantes para o desenvolvimento sexual e corporal, energia e substâncias secretadas pelo testículo (espermatozóides) e pelos ovários (ovulação). Em relação ao tratamento de infertilidade masculina pela MTC, a maior parte dos estudos são difusos, por não serem direcionados a uma única causa. São raros os trabalhos que avaliam a ação da acupuntura e da moxabustão. Porém não foi possível concluir que a MTC  é capaz de auxiliar no tratamento de pacientes com oligozoospermia, pois causa um aumento significante na porcentagem de espermatozóides em sua forma normal. É importante sugerir a realização de mais estudos para que seja possível obter maiores informações a respeito da ação da acupuntura e da moxabustão e na Oligozospermia.

 

 

 

 

 

Palavras Chave: oligozoospermia, medicina tradicional chinesa e fisiopatologia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ABSTRACT

 

 

The oligozoospermia is defined by WHO as the variable characterized by seminal sperm density <20×106 sperm / mL. This disorder is usually associated with an increase in abnormal sperm in the ejaculate and the vitality and sperm penetration test, changes that are related to infertility. The main causes of oligozoospermia are: genital infection, varicocele, and others. The explanation of Traditional Chinese Medicine (TCM) for sexual development and reproduction highlights the importance of Jing Shen (Kidney ancestral essence), which has two meanings here: nutrients and hormones important for sexual development and body energy and substances secreted the testis (sperm) and the ovaries (ovulation). Regarding treatment of male infertility by MTC, the majority of studies are diffuse, not being directed to a single cause. Rare are the studies that investigate the action of acupuncture and moxibustion. However it was concluded that the TTC is not able to assist in the treatment of patients with oligozoospermia, because it causes a significant increase in the percentage of sperm in their normal form. It is important to suggest further studies are needed to provide more information about the action of acupuncture and moxibustion and Oligozospermia.

 

 

 

 

 

 

 

Keywords: oligozoospermia, traditional Chinese medicine and pathophysiology.

 

 

 

 

 

SUMÁRIO

 

        

1       INTRODUÇÃO ………………………………………………………….           07

2       METODOLOGIA ………………………………………………………..           10

3       INFERTILIDADE MASCULINA………………………………………            11

         3.1 OLIGOZOOSPERMIA……………………………………………..            11

4       CAUSAS DA IM NA MEDICINA OCIDENTAL……………………..           13

         4.1 VARICOCELE………………………………………………………             13

         4.2 ALTERAÇÕES EMOCIONAIS………………………………….              14    

          4.3 DOENÇAS REUMÁTICAS…………………………………………           15

         4.4 EFEITOS DA IDADE………………………………………………              16

         4.5 INFECÇÃO NO TRATO GENITAL…………………………….               17

5        TRATAMETNO NA VISÃO OCIDENTAL …………………………………    19

6        TERAPIA TRADICIONAL CHINESA…………………………….                22

         6.1 OLIGOESPEMIA E ACUPUNTURA…………………………………        22

         6.2  NEUROFISIOLOGIA DA ACUPUNTURA ………………………..         25

7       CONCLUSÃO  ………………………………………………………….              28

REFERÊNCIAS   ……………………………………………………………….              29

 

 

 

 

  

1   INTRODUÇÃO

        

         Um casal entre dez busca auxílio médico por problema de infertilidade. Estudo multicêntrico realizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com casais inférteis, entre 1982 a 1985, aponta o fator masculino como predominante em 20% e compartilhando problemas de fertilidade com a parceira em outros 27% dos casos, estando, portanto, envolvido em pelo menos 47% das situações GURFINKEL (2011).

         Segundo Siterman et al. (2000), a infertilidade pode ser definida como a inabilidade de um casal sexualmente ativo, sem a utilização de métodos contraceptivos, de estabelecer gravidez dentro de um ano, período no qual por volta de 90% dos casais o fazem. Ela é um fenômeno universal que atinge aproximadamente 8 a 15% dos casais, independente dos fatores socioeconômicos ou culturais. Apesar de o fator masculino representar até 50% das causas de infertilidade, a importância da avaliação e do tratamento do homem infértil tem sido atualmente questionada.   

         A explicação da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) para o desenvolvimento sexual e reprodução destaca a importância do Jing Shen (essência ancestral do Rim), que aqui tem dois significados: substâncias nutritivas e hormônios importantes para o desenvolvimento sexual e corporal, energia e substâncias secretadas pelo testículo (espermatozóides) e pelos ovários (óvulos) (TABOSA, YAMAMURA e FUKUYAMA, 1998).

         Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, podemos regularizar um Órgão comprometido por seus meridianos ou pelos meridianos de Órgãos relacionados, graças aos pontos de acupuntura, que são áreas restritas, localizadas ou não, sobre os meridianos que podem ser manipulados por agulhas específicas ou pelo calor, utilizando-se, por exemplo, um bastão de Artemísia (moxabustão) a fim de obter certas reações em outras regiões ou em algum Órgão (WENBU, 1993 p.53).

         Acupuntura pode ser utilizada para melhorar a fertilidade de homens com baixa quantidade de espermatozóides normais. Registrou um aumento médio de 25% na quantidade de espermatozóides morfologicamente normais, em pacientes tratados com técnicas de Acupuntura. demonstrando o efeito da Acupuntura sobre a Infertilidade Masculina. (GURFINKEL, 2011).

         A inserção de agulhas nestes locais causa uma despolarização das membranas, capaz de gerar um potencial de ação nos receptores dos nervos, originando um estímulo que é conduzido principalmente pelas fibras A delta e C. Os estímulos provocados pela agulha em diferentes receptores nervosos levam a múltiplos efeitos, uma vez que o sistema nervoso dá uma resposta específica conforme a via de condução do estímulo. Ao chegar à coluna posterior da medula espinal, o estímulo é conduzido por sinapses interneuronais. Conforme a via de condução do estímulo (fibras A delta ou C), diferente modalidade de interneurônios é excitada ou inibida, sinapses com neurônios somáticos motores, neurônios autonômicos ou de projeção são ativadas e, por meio do trato espino-talâmico ou espinoreticular, o estímulo chega ao encéfalo. (ZONGLIAN, 1979).

         Os pontos de Acupuntura localizados na parte externa do corpo podem influenciar os órgãos internos por meio de reflexos víscero-visceral homolateral, víscero-somático cruzado ou atingir o encéfalo via trato ascendente, no nível da formação reticular, tálamo, sistema límbico e córtex cerebral. (HABER et al. 1982). Assim, fica evidente a relação da fisiologia das fibras nervosas e dos arcos reflexos como um dos mecanismos de ação da acupuntura (MACIOCIA, 2000,p.669).
         Outro mecanismo pelo qual a acupuntura pode agir é por meio da liberação de peptídeos vasodilatadores, como o CGRP (peptídeo relacionado com o gen da calcitonina) e o VIP (peptídeo vasodilatador intestinal), que se apresentam aumentados após aplicação das agulhas nos pontos de Acupuntura (KAADA 1982, KJARTANSSON et al. 1988).

         É importante que a energia e o sangue cheguem aos órgãos reprodutivos e em outros que são importantes na produção de energia. São três os principais órgãos cuja deficiência ou desarmonia causam as várias patologias de Infertilidade: Rim, Fígado e Baço. O fígado armazena o sangue, o baço fabrica e o rim supervisiona o processo de reprodução. A Acupuntura, sendo uma das formas de tratamento da Medicina Tradicional Chinesa, tem como objetivo equilibrar e circular a energia que percorre os canais. A técnica consiste na introdução de uma agulha, mais fina que a espessura de um fio de cabelo, em pontos específicos do corpo.

         O tratamento possibilita a circulação, a tonificação, e o fortalecimento de energia, principalmente quando a causa da desarmonia é a deficiência por fraqueza constitucional, melhorando assim o fluxo energético. (TABOSA, 1998).

         Nos casos relacionados à Infertilidade, a Acupuntura aumenta o fluxo sangüíneo dos órgãos reprodutivos femininos, ajudando a normalizar a ovulação. O equilíbrio de energia resulta na melhora de problemas físicos e emocionais, além do paciente se referir a uma sensação de bem-estar. A melhora deste quadro reflete também na cor, no brilho da face, nos olhos, na postura, na fala, no pulso e na língua.

         A MTC, está sendo estudada, observada e pesquisada em muitos grandes centros universitários nacionais e internacionais, demonstrando o efeito da Acupuntura na infertilidade,os pesquisadores descobriram que a técnica pode exercer influência sobre o cérebro reduzindo também o estresse. (TABOSA, 1998).

         Este estudo teve como objetivo correlacionar a oligozoospermia na visão da medicina oriental, com ênfase no diagnóstico e fisiopatologia.

 

 

 

2 METODOLOGIA

 

         Foi realizado levantamento da literatura científica sobre o assunto e  a seleção de informações importantes sobre a caracterização da oligozoospermia na MTC e na medicina ocidental.

         Foram pesquisadas artigos com bases de dados e bibliotecas virtuais de confiança como: Bireme, VBS, Periódicos Capes, e nas bibliotecas da USP, UNIFESP e UMC.

 

 

 

 

3  INFERTILIDADE MASCULINA

           

            É definido como infértil o casal que não consegue engravidar após um ano com atividade sexual regular e sem nenhum método anticoncepcional. Em média, 8 a 10% dos casais em idade reprodutiva apresentam dificuldade de engravidar. Entre os casais inférteis, os fatores masculinos e femininos, isoladamente, são responsáveis por cerca de 35% dos casos; a associação dos fatores anteriores, por 20%; e, em cerca de 10% dos casos, não é diagnosticado um fator responsável (PASQUALOTTO, 2007).

         A partir do final da década de 1970, na maioria dos países desenvolvidos, foram observadas modificações no comportamento reprodutivo. Ocorreu uma redução no número de filhos por casais e um aumento da média de idade no nascimento do primeiro filho, tanto entre os homens quanto entre as mulheres (ANDRADE, 1994).

 

3.1  OLIGOZOOSPERMIA

         A oligozoospermia é definida pela Organização Mundial de Saúde como a variável seminal caracterizada por apresentar densidade espermática menor 20×106 espermatozóides/mL. Este distúrbio, geralmente, é associado com um aumento de espermatozóides anormais no ejaculado e com uma redução na motilidade, na vitalidade e no teste de penetração espermática, alterações que são relacionadas com infertilidade (GURFINKEL, 2001).

         A concentração espermática é determinada com a contagem em câmara de Makler e definida conforme critérios da OMS: normozoospermia: concentração >20 x 106 espermatozóides/mL; oligozoospermia: <20 x 106 espermatozóides/mL; polizoospermia: >200 x 106 espermatozóides/m; azoospermia: nenhum espermatozóide no ejaculado.

         De acordo com a OMS, o sêmen é considerado normal quando: a concentração de espermatozóides é superior a 20 x 106mL; o número total de espermatozóides é superior a 40 milhões; e a motilidade dos espermatozóides é superior a 50% das células com progressão linear. Entretanto, evidências sugerem que sêmen com concentração superior a 48 x 106 mL e motilidade de 63% pode ser considerado normal. Considera-se normal um sêmen com pelo menos 50% de formas móveis (graus A + B). A morfologia pelo critério da OMS é considerada normal quando pelo menos 30% dos espermatozóides apresentam formas ovais normais. A avaliação da morfologia requer mais habilidade e experiência do que a avaliação da densidade e da motilidade dos espermatozóides. A introdução do critério estrito de Tygerberg (também conhecido como Kruger) e o estabelecimento de um ponto de corte de 14% para morfologia normal correlaciona-se com sucesso em ciclos de fertilização in vitro (FIV) (SITERMAN et al, 2000).

 

 

 

 

4 CAUSAS DA IM NA MEDICINA OCIDENTAL

         Muitas são as possíveis causas de infertilidade masculina: varicocele, obstrução congênita ou adquirida da via seminífera, infecção, disfunção ejaculatória, distúrbios hormonais (hipogonadismo hipogonadotrófico, hiperprolactinemia), distúrbios imunológicos, disfunção sexual, gonadotoxinas (drogas, radiação), alterações testiculares (criptorquidismo, falência testicular primária, aplasia de células germinativas, anorquia bilateral), anormalidades cromossômicas e síndrome dos cílios imóveis (PASQUALOTTO, 2007).

            Apesar dos avanços científicos da medicina, 40% dos pacientes inférteis que apresentam anormalidades na análise do sêmen permanecem sem diagnóstico etiológico definido, tornando o tratamento clínico limitado e frustrante, uma vez que não há medicamentos comprovadamente efetivos para estes casos (BIRENBAUM-CARMELI et al. 1995).

 

4.1 VARICOCELE    

         A fisiopatologia da varicocele é um tema que foi intensamente estudado nas últimas décadas, uma vez que a incidência desta entidade é elevada e ela é apontada como uma das principais causas de infertilidade masculina. Sabe-se que vários distúrbios relacionados com a varicocele atuam sobre o epitélio germinativo, prejudicando sua atividade funcional. Entre esses distúrbios citam-se o aumento da temperatura escrotal, o refluxo de esteróides adrenais e de catecolaminas para a veia testicular, disfunções hormonais, alterações funcionais nas células de Leidig e nos epidídimos e o acúmulo de CO2 no tecido germinativo. Nos indivíduos em que são evidentes seus efeitos deletérios, a varicocele causa um progressivo dano na espermatogênese, que se manifesta por meio de uma peculiar forma de teratoastenozoospermia, caracterizada pela presença de elevados percentuais de espermatozóides amorfos e fusiformes, às vezes associada a um aumento de descamação de células germinais imaturas no ejaculado, além da natural queda da motilidade espermática. Em relação a varicocele, sabe-se que esta entidade afeta, aproximadamente, 20% dos homens em geral e que esta incidência, praticamente, dobra quando são considerados apenas os indivíduos inférteis. A maioria dos portadores clínicos não apresentam uma redução na qualidade do sêmen, porém, em muitos indivíduos, são encontrados elevados percentuais de anomalias espermáticas no ejaculado que desenvolvem um variável grau de teratoastenozoospermia, sobretudo em homens oligozoospérmicos. (GERHARD, 1992).

 

4.2 ALTERAÇÕES EMOCIONAIS 

         Os distúrbios da função sexual ocorrem devido à interação de fatores físicos, emocionais e sociais associados à doença, que contribuem para reduzir a atividade e o desempenho sexuais. Dor crônica, fadiga, rigidez e deterioração da função articular, assim como alterações psicológicas como depressão e baixa auto-estima, comuns em doenças crônicas, podem reduzir a libido e, conseqüentemente, a freqüência das relações sexuais. O prazer da relação pode diminuir devido à dor articular aos movimentos ou dificuldade de encontrar uma posição que não cause desconforto. (PASQUALOTTO, 2007).

 

  

4.3 DOENÇAS REUMÁTICAS

         Por outro lado, doenças reumáticas em atividade podem alterar o controle do eixo hipotálamo-hipófise, inibindo a secreção do hormônio liberador de gonadotropina e aumentando a secreção de prolactina, resultando em hipogonadismo. A hiperprolactinemia interfere na espermatogênese e altera a motilidade e a qualidade dos espermatozóides. O resultado disso é a diminuição da libido, impotência, inabilidade para ejacular, inibindo a função sexual masculina. O hipogonadismo tem sido relatado em pacientes com artrite reumatóide (AR) e lúpus eritematoso sistêmico (LES). Entretanto, tal disfunção testicular não necessariamente diminui o desempenho sexual. Redução da libido, disfunção erétil e escassez ejaculatória têm sido relatadas em 19 a 35% dos homens com LES (BIRENBAUM etal, 1995).

          Segundo Haber (1982), períodos de impotência sexual ocorrem em pacientes com AR e espondilite anquilosante (EA). Em um número pequeno de casos, a EA crônica pode levar à síndrome da cauda eqüina com disfunção erétil, mas isto é muito raro. Em homens com esclerose sistêmica (ES), a disfunção erétil pode ser decorrente de uma diminuição da pressão sangüínea no pênis causada por vasculite de pequenos vasos. A varicocele pode ser de importância etiológica em até 33% dos casos de infertilidade masculina. Ela é causada por fluxo retrógrado de sangue dentro da veia espermática interna que resulta em dilatação progressiva, freqüentemente palpável, do plexo venoso pampiniforme peritesticular. Acredita-se que resulte da incompetência da valva entre a veia espermática interna e a veia renal, sendo mais comum no lado esquerdo (85%).  A varicocele unilateral aumenta o fluxo sanguíneo e a temperatura em ambos os testículos, como resultado de extensas anastomoses dos sistemas venosos. Acredita-se que o aumento da temperatura escrotal e testicular seja a causa da má qualidade do sêmen e da infertilidade. Os achados nas análises do sêmen geralmente são inespecíficos, com todos os parâmetros mostrando alguma anormalidade. O reparo cirúrgico da varicocele resulta em fertilidade em cerca de metade dos homens. Distúrbios de hormônios sexuais ocorrem em doenças reumáticas e podem reduzir a libido e interferir no sucesso da reprodução. Anormalidades auto-imunes têm sido associadas à infertilidade. No homem, anticorpos presentes no esperma têm sido associados à infertilidade, no entanto, somente os que estão direcionados aos espermatozóides podem inibir a reprodução.

4.4 EFEITOS DA IDADE

         Os efeitos da idade sobre a capacidade reprodutiva da mulher já são bem conhecidos. No homem, porém, a influência da idade na produção e na qualidade seminal ainda é pouco conhecida. Acredita-se que não somente a idade interfira diretamente na função reprodutiva, mas que as infecções urogenitais, as doenças vasculares e o acúmulo de substâncias tóxicas possam também contribuir para a deterioração dos parâmetros seminais. Estudo recente, que avaliou 8.515 gestações planejadas, observou que homens com mais de 35 anos apresentaram possibilidade 50% menor de serem pais quando comparados a homens com menos de 25 anos. A idade do homem também interfere nos resultados gestacionais de casais com dificuldade em engravidar. Estudo recente, que avaliou os resultados de mais de 17.000 inseminações artificiais, observou redução nas taxas de gravidez de 12,3% entre homens com menos de 30 anos e de 9,3% entre homens com mais de 45 anos. Também foi descrita uma relação diretamente proporcional na ocorrência de aborto espontâneo e idade paterna (FAUSER et al, 1985).        

         Os mecanismos de influência da idade sobre o potencial reprodutivo da mulher são bem conhecidos. Limitação do número de folículos primordiais e alterações na foliculogênese são os principais mecanismos responsáveis pela redução da fertilidade e pela elevação das taxas de aborto espontâneo – que é observado freqüentemente com a elevação da idade materna. Entre os homens, a espermatogênese é um processo contínuo, e a interferência da idade na capacidade reprodutiva já não é tão marcante. Embora sejam descritas algumas modificações histológicas no aparelho reprodutivo, muitas vezes focalmente localizadas e com variações individuais, elas não estabelecem padrões de alterações espermáticas regularmente observadas. Recente revisão sobre a função reprodutiva e a idade do homem concluiu que a morfologia testicular e as características seminais sofrem deterioração diretamente proporcional à idade. Doenças crônicas, uso de medicações, exposição a agentes ambientais, produtos tóxicos, radiação e metais são outros fatores que, ao longo da vida do homem, podem prejudicar a qualidade espermática, porém são de difícil mensuração (BIRENBAUM etal, 1995).

         A redução do volume seminal, do padrão de motilidade normal e do percentual de espermatozóides morfologicamente normais é parâmetro espermático que, aparentemente, sofre maior influência com o avanço na idade masculina. A redução na concentração espermática parece ser um achado pouco freqüente entre os principais estudos envolvendo essa problemática.

 

4.5 INFECÇÃO NO TRATO GENITAL

         Embora a infecção do trato genital possa estar ligada com infertilidade em estudos epidemiológicos, uma correlação entre micro organismos em particular e a infertilidade não foi estabelecida. Por outro lado, vários produtos provenientes de leucócitos ativados podem estar presentes no sêmen e prejudicar a qualidade seminal. Além disso, existe uma série de produtos provenientes dos leucócitos, como as espécies reativas de oxigênio, que podem causar peroxidação lipídica da membrana dos espermatozóides e por fim levar ao dano de DNA. Devido ao fato de 83% de todos os homens inférteis terem culturas positivas no sêmen e de que uma relação positiva entre culturas bacterianas e infertilidade ainda ser inconclusiva, as culturas seminais devem ser obtidas apenas quando: existe uma história prévia de infecção genital, secreção prostática alterada, presença de >1000 bactérias patogênicas/mL no sêmen e presença de >1 milhão de leucócitos no sêmen (piospermia). (KRUGER, 1987).

 

 

 

 

 

5 TRATAMENTO NA VISÃO OCIDENTAL

         É comum aos pacientes masculinos com infertilidade sem causa aparente receberem alguma forma de terapia empírica por um período limitado, de 3 a 6 meses, correspondente a um ciclo espermatogênico completo (PASQUALOTTO, 2007). Destas terapias, as mais comuns são:

1- Bloqueadores de Estrogênio – o hipotálamo possui receptores estrogênicos que, quando estimulados, diminuem a secreção do hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH). Bloqueadores antiestrogênicos atuariam nestes receptores com inibição do bloqueio e conseqüente aumento de liberação do GnRH. Neste grupo encontramse o citrato de clomifeno e o tamoxifen. Estudos com grupo placebo não mostraram bons resultados (SOKOL et al. 1988).

2- Inibidor de Aromatase – o estrogênio possui um efeito adverso sobre a espermatogênese. A maior parte dos estrogênios circulantes resultam da conversão da testosterona na periferia. O inibidor de aromatase diminuiria esta conversão. Estudos com grupo placebo também não mostraram bons resultados.

3- Gonadotrofinas – a gonadotrofina coriônica humana possui um efeito semelhante à atividade do hormônio luteinizante (LH), estimulando a produção intratesticular de testosterona, o que levaria a uma melhor espermatogênese. Os trabalhos realizados com grupo placebo não foram satisfatórios (PUSCH, PÜRSTNER & HAAS, 1986).

4- Hormônio Liberador de Gonadotrofina (GnRH): o GnRH estimula a liberação de FSH e LH pela hipófise. Seu uso em pacientes masculinos com infertilidade sem causa aparente foi insignificante (FAUSER et al. 1985).

            Dentre as condições masculinas passíveis de correção incluem-se o período de abstinência sexual e a época do ciclo menstrual na qual o casal mantém relação sexual, anormalidades na ejaculação causadas por disfunção erétil, fimoses muito graves, ejaculação retrograda, álcool, maconha, heroína, pesticidas como dibromocloropropano, medicamentos como cetoconazol, espironolactona e cimetidina.

         As terapias efetivas para o tratamento da infertilidade devem idealmente fazer com que os casais inférteis se tornem capazes de estabelecer gravidez por meio do intercurso sexual. Entretanto, várias técnicas de reprodução assistida são geralmente utilizadas no manejo dos casais inférteis. O tratamento da fertilidade, seja médico ou cirúrgico, que permite o uso efetivo de opções terapêuticas menos invasivas e de menor custo é considerado benéfico. A existência de alguma forma de tratamento que reduza a necessidade da utilização de técnicas de reprodução assistida deve ser discutida com o paciente quando as opções de tratamento são abordadas. Esta abordagem não apenas promove o melhor entendimento dos casais sobre o processo de tratamento envolvido, mas igualmente permite que tenham uma expectativa realista sobre os resultados do tratamento (SOKOL, 1988).

         Modificações no estilo de vida é uma medida importante que pode potencialmente melhorar o prognóstico dos tratamentos para os pacientes inférteis,  inseminação intra-uterina. Os pacientes devem evitar saunas, calções apertados, uso de cigarros e qualquer outro fator que pode afetar a espermatogênese. Além disso, evitar medicamentos como substâncias hormonais (esteróides anabolizantes, glicocorticóides, anti-androgênios), cardiovasculares (espironolactoma, bloqueadores dos canais de cálcio), neurológicos (antagonistas dopaminérgicos, fenotiazina), antimicrobianos (nitrofurantoína, sulfasalazina, dapsona), quimioterápicos e recreacionais (opióides, maconha, nicotina, álcool) (BIRENBAUM, 1995).

         Quando se avalia a melhor forma de tratamento para os pacientes com azoospermia obstrutiva, a literatura é clara ao demonstrar que os procedimentos microcirúrgicos são superiores na relação custo-benefício ao comparar com as técnicas de reprodução assistida. Entretanto, a disparidade entre as taxas de permeabilidade da anastomose microcirúrgica e as taxas de gravidez resulta em alguns questionamentos inseminação intrauterina. Muito embora as técnicas de reprodução assistida sejam necessárias nestes casos, a reconstrução microcirúrgica não deve ser considerada como um procedimento desnecessário. Em primeiro lugar, com a conversão do estado de azoospermia para oligozoospermia, o paciente que possui espermatozóides no ejaculado poderá utilizar as técnicas de reprodução assistida sem a necessidade de um procedimento cirúrgico adicional. Desta forma, a reconstrução microcirúrgica com sucesso (permeabilidade da anastomose do trato reprodutivo) melhora o estado de fertilidade do paciente (azoospermia), tornando-o candidato à ICSI com espermatozóides do ejaculado, inseminação intrauterina e até mesmo torna o paciente capaz de estabelecer gravidez naturalmente (PUSCH, 1986).

 

 

 

 

 

6 MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

         A MTC, medicina milenar, com bases fisiológicas, fisiopatológicas, diagnósticas e terapêuticas próprias, é fundamentada em dois conceitos: o Yin e Yang, e os Cinco Movimentos.

         O  Yin e Yang, tudo que existe no universo, fenômeno natural, objeto inanimado ou ser vivo, possui duas forças, Yin e Yang, opostas entre si, porém, complementares e inseparáveis que devem estar sempre equilibradas. No ser vivo este equilíbrio manifesta-se como saúde. Segundo o conceito dos Cinco Movimentos, o ser humano, para ter saúde, precisa estar em harmonia com o meio no qual se encontra, ou seja, é um microcosmo dentro de um macrocosmo. Para isso ocorrer, ele possui cinco estruturas em seu interior cuja função é a manutenção da homeostase: Fígado (Gan), Coração (Xin), Baço-Pâncreas (Pi), Pulmão (Fei), Rins (Shen), denominados Órgãos, responsáveis por toda a fisiologia do organismo (YAMAMURA e TABOSA, 1995).

 

 

6.1 OLIGOZOOSPERMIA E ACUPUNTURA

         Decepcionados com as respostas ao tratamento medicamentoso, alguns autores propuseram o uso das técnicas da MTC para melhorar a qualidade do sêmem de pacientes com parâmetros seminais alterados, obtendo resultados satisfatórios (FISCHL et al. 1984).

         Através dos meridianos, as Energias, essenciais para as diversas atividades, atingem todas as partes do corpo. Cada Órgão é responsável por funções específicas, como um determinado sentido, como olfação, ou, mesmo, a reprodução sexual para a perpetuação da espécie.

         Segundo a teoria dos Zang Fu (Órgãos e Vísceras) da Medicina Tradicional Chinesa, o Shen (Rim) é o Zang (Órgão) responsável pelo desenvolvimento sexual e pela reprodução. Cada Zang Fu possui o seu Jing (quintessência energética), elaborado a partir da energia de nutrição (Yong Qi). Todos os Jing dos Órgãos e Vísceras dirigem-se para o Shen (Rim) para formar o Jing Shen. Este se dirige para a medula espinal e atinge o encéfalo. Desta forma, no dorso, ocorrem manifestações dos pontos Jing dos Zang (Órgãos), fundamentais para a fisiologia energética dos Órgãos internos e, no encéfalo, manifestação nas estruturas neurais, inclusive na atividade da hipófise anterior, onde são produzidos hormônios como LH, FSH e prolactina, relacionados com o desenvolvimento da libido, com a espermatogênese e com a ovulação (TABOSA, YAMAMURA e FUKUYAMA, 1998).

         Para os rapazes à idade de 8 anos, a energia do Shen (Rim) começa a se desenvolver, os dentes de leite começam a mudar, os cabelos, em pleno desenvolvimento. À idade de 16 anos, a energia do Rim fortalece-se, o rapaz está em pleno crescimento, o Jing sexual começa a se produzir é um elemento de base da fecundação. À idade de 64 anos, o Jing sexual esgota-se. Este esgotamento vem do enfraquecimento do Shen (Rins) (YAMAMURA e TABOSA, 1995).

         Quando a energia do Shen (Rins) está alterada ou quando existe Umidade por insuficiência do Pi (Baço/Pâncreas), podem ocorrer alterações na qualidade do sêmen (YAMAMURA e TABOSA, 1995).

         Pela perspectiva chinesa, as principais causas da esterilidade masculina: uma é a deficiência dos Rins (geralmente Yang do Rim), a outra é a Umidade-Calor no sistema genital. Então, é preciso fazer uma distinção básica entre a causa Vazio e Plenitude da infertilidade. (MACIOCIA, 2000 p.188).

         Segundo Yamamura et al, (1995), na varicocele há aumento da temperatura escrotal, o refluxo de esteróides adrenais, disfunções hormonais, varizes. Podendo ser causada pela: Deficiência do Fígado e do Rim podendo ter como sintomas tonturas, dor nas costas, desconforto no escroto, impotência, ejaculação precoce; Estagnação de Qi com sintomas e sinais de flacidez do escroto, veias azuis expostas, dor nas pernas.So how traditional Chinese medicine treatment of varicocele it, here is the Chinese medicine treatment of varicocele in the introduction.How traditional Chinese medicine treatment of varicocele, varicocele Chinese medicine will be divided into three types: 1, liver and kidney insufficiency: dizziness, backache petrified, scrotum bulge discomfort, or frivolous-fire, easy to move the penis, or fearcold limbs, impotence, premature ejaculation, falls when standing on the left scrotal swelling and palpable “earthworm group-like” objects disappear when supine, white fur, the pulse.Side to Liu Wei Di Huang Tang Bu Zhong Yi Qi Pill: Rehmannia 12 grams, cornus 12 grams, 10 grams of yam, Dan 6 grams, 10 grams of Ling Yun, 10 grams Alismataceae, Codonopsis 15 grams, 15 grams of astragalusChinese medicine can also be used together Liuweidihuangwan Buzhongyiqi pills, can cure liver and kidney insufficiency varicocele.2, Chinese medicine to treat varicocele, qi stagnation type: walking or standing ipsilateral scrotum sagging, blue veins exposed, palpable and thick varicose veins of the scrotum bulge, there are lancinating abdominal testes, or even lead leg pain . Purple tongue, pulse astringent.Governance in order to fennel Juhe Pill: small fennel 10 grams, 10 grams Ju He, Yuan Hu, 12 grams, 12 grams of wood, Toosendan 20 grams, 12 grams Cyathula, red peony, white peony 10 grams,  3, traditional Chinese medicine to treat varicocele, blood stasis type varicocele: see testicular fall with pain, Yuhan Zeshen, heat gain is slow, sometimes painful traction Shaofu Juji, pale tongue, white coating, pulseExpelling warm through the cold, promoting blood circulation.Já nas alterações emocionais que apresentam dor crônica, fadiga, rigidez, depressão na MTC não é vista como um  problemas no cérebro, mais como problemas de Coração. Emotions associated with loss, repressed expression, and other stressful events cause us to tighten in the chest, restraining flows of Qi and fluids to the Liver, Heart and other organs. Emoções associadas com a perda, expressão reprimida, e outros eventos estressantes nos levar a apertar no peito, restringindo o fluxo de Qi e líquidos para o Fígado, Coração e outros órgãos. TCM calls this condition Liver Qi Stagnation. Conhecida como estagnação do Qi do Fígado (MARÍA, 1997).In the West we call it depression.

         O Efeitos da idade causa uma diminuição da essência, deficiência do  Rim.

        De acordo com Maciocia, (2000 p.669), a Infecção no trato genital, no ponto de vista da MTC é uma manifestação comum de umidade – calor ou de umidade no abdome inferior com deficiência de Baço e ou de Rim. Umidade é padrão de calor que pode ser causada por relações sexuais,  ataque de bactérias ou vírus,  o hábito de comer alimentos quentes, picantes ou gordurosos.  

        As doenças reumáticas resultam da exposição a fatores climáticos, como o vento, frio, calor ou umidade sendo que o nível de resistência das pessoas a estes fatores depende, sobretudo da sua alimentação, exercício físico e tensões. Na patologia chinesa as doenças reumáticas são classificadas como doenças do frio, da tristeza e da umidade. O frio patogênico tem características Yin e consome o Qi (Chi) Yang. Pode ser causado por contração e estagnação ou por exposição ao frio após transpirar, ou ser apanhado pelo vento e chuva (KRUGER et al., 1987).

 

 

6.2 MECANISMOS NEUROFISIOLÓGICOS DE AÇÃO DA ACUPUNTURA

 

         Nas últimas décadas, muitos estudos foram realizados para esclarecer os mecanismos de ação e os fenômenos neuroquímicos que ocorrem durante a analgesia e anestesia por acupuntura, o que levou à compreensão da importância dos reflexos espinais como importante mecanismo de ação desta modalidade de tratamento (WU, 1990). Os pontos de acupuntura são áreas onde histologicamente existem maiores quantidades de receptores nervosos como terminações livres, fusos musculares, órgão tendinoso de Golgi, mastócitos e capilares, quando comparadas com áreas circunjacentes (DORNETE, 1975; ZONGLIAN, 1979).

          A inserção de agulhas causa despolarização das membranas, capazes de gerar um potencial de ação nos receptores dos nervos, originando um estímulo que é conduzido principalmente pelas fibras A delta e C (DORNETE, 1975; GUOWEI et al., 1981; ZONGLIAN, 1979).

          Os estímulos provocados pela agulha em diferentes receptores nervosos levam a múltiplos efeitos, uma vez que o sistema nervoso dá uma resposta específica conforme a via de condução do estímulo. A técnica de manipulação da agulha quanto à intensidade, no sentido de rotação (horário ou anti-horário), freqüência e inclinação, torna-se muito importante, pois diferentes neurotransmissores são liberados, excitando ou inibindo, resultando em interpretações cerebrais distintas e diferentes respostas.

         O estímulo da acupuntura, ao chegar à coluna posterior da medula espinal, é conduzido por sinapses interneuronais. Dependendo da condução, através de fibras A delta ou C, diferentes modalidades de interneurônios são excitados ou inibidos, e diferentes sinapses com neurônios somáticos motores, neurônios autonômicos ou neurônios de projeção são ativados, conduzindo o estímulo em direção ao encéfalo, através do trato espino-talâmico (GUYTON, 1992 p.289), ou do trato espino-reticular (AMMONS, 1987; HARBER, 1982).

         A participação das fibras nervosas como uma via de ação da acupuntura fica evidente, quando demonstrado que bloqueio anestésico nos pontos de acupuntura inibe sua ação, devido a sua atuação nos canais iônicos das plasmalemas das fibras nervosas que conduzem sensação de dor, provável sítio de atuação também do estímulo da acupuntura. Assim, fica clara a relação da fisiologia das fibras nervosas e arcos reflexos como um dos mecanismos de ação da acupuntura (WU, 1990).

         O reflexo somato-somático é o arco reflexo que ocorre, quando um estímulo excita as fibras somáticas aferentes, provocando contração dos músculos flexores e relaxamento dos extensores na região do estímulo, explicando a sensação de Te Qi, ou seja, uma sensação de inchaço ou adormecimento, que acompanha o estímulo da acupuntura e é associado aos melhores efeitos do tratamento (NGUYEN e NGUYEN-RECOURS, 1984 p. 176).

         O arco reflexo somato-visceral ocorre, quando um estímulo periférico, desencadeando um potencial de ação nas fibras nervosas, principalmente as fibras C, é conduzido até a medula espinal; neste nível, através de inter neurônios, as fibras nervosas fazem sinapses com neurônios autonômicos pré-ganglionares, localizados na coluna medular lateral, entre os segmentos T1 e L2 e, através de fibras pósganglionares, alcançam as vísceras internas e vasos sangüíneos. Por este mecanismo, os pontos de acupuntura localizados na região somática podem afetar os órgãos internos. Em sentido inverso, por meio do reflexo víscero-somático, alterações em órgãos internos podem se manifestar, por exemplo, no aparelho locomotor como dor (YAMAMURA e TABOSA, 1995).

         Nos casos dos pontos de acupuntura localizados nos nervos unissegmentares, o efeito sobre os órgãos internos é direto. Os nervos plurissegmentares apresentam muitas inter-relações em nível medular, explicando estímulos e ações em níveis diferentes, através do sistema simpático, que se conecta com vários segmentos espinais através dos gânglios do tronco simpático, ou através do trato de Lissauer ou do trato próprioespinal.

         Graças às sinapses da medula espinal, os estímulos podem agir via víscerovisceral homolateral, víscero-somático cruzada ou atingir o encéfalo via trato ascendente, no nível de formação reticular (HABER, MOORE & WILLIS, 1982; AMMONS, 1987), tálamo, sistema límbico e córtex cerebral. O sistema parassimpático sacral também pode ser estimulado por meio de agulhas de acupuntura inseridas nos forâmens sacrais (TABOSA, YAMAMURA & FUKUYAMA, 1998). Neste nível, os estímulos atingem os ramos dorsais das raízes de S2, S3 e S4, cujo arco reflexo estimula os neurônios pré-ganglionares parassimpáticos, cujas fibras formam o plexo ilíaco interno e são distribuídas para os órgãos pélvicos (GUYTON, 1992 p.300).

         Outro mecanismo pelo qual a acupuntura causa vasodilatação são os peptídeos vasodilatadores. As fibras nervosas sensitivas contêm neuropeptídeos vasodilatadores, e já foi demonstrado relação entre tratamento por acupuntura e vasodilatação por aumento dos níveis de peptídeo relacionado com gene da calcitonina e do peptídeo vasodilatador intestinal – VIP – (KAADA, 1982).

         Nos pontos de acupuntura encontramos uma concentração maior de fibras nervosas, capilares, mastócitos, fusos musculares e Órgão de Golgi, tornando o potencial elétrico destas áreas diferente, quando comparadas com o das áreas vizinhas. Isso facilita o potencial de ação nas fibras nervosas locais, que conduzem os estímulos para o sistema nervoso central, principalmente através das fibras A delta e C (DORNETE, 1975). Os receptores para frio, ou de Krause, e os receptores para calor, ou de Ruffini, são os responsáveis pelas sensações térmicas que ocorrem durante as modificações de temperatura da pele (GUYTON, 1992 p.295).

7  CONCLUSÃO

Em relação a oligozoospermia MTC, podemos afirmar que a infertilidade masculina pode ser causada pela deficiência dos Rins (Yang dos Rins), Umidade-Calor no sistema genital, deficiência do Fígado, estagnação de Qi: causando dores, fadiga, depressão, impotência, ejaculação precoce, sinais de flacidez do escroto, entre outros sintomas. Neste contexto sugere-se a realização de mais estudos para fundamentar possibilidades de intervenção terapêutica através da Medicina Tradicional Chinesa.

 

 

 

  

 

 REFERÊNCIAS

 

ANDRADE, R. Rotina básica para o exame do sêmen: resultados encontrados em 30 exames normais. Rev Bras Anál Clín ; v. 26, p. 22-26, 1994.    

AMMONS, W.S. Characteristics of spinoreticular and spinothalamic neurons with renal input. J Neurophysiol ; v. 58,  p.480-495, 1987.

 

BIRENBAUM-CARMELI, D, CARMELI, Y.S, CASPER, R.F. Discrimination against men in infertility treatment. J Reprod Med v.40, n.8, p.590-594, 1995.

 

DORNETTE, W.H.L. The anatomy of acupuncture. N Y Acad Med; v. 51, p. 895- 902, 1975.

 

FAUSER, B.C.J.M, ROLLAND, R, DONY, J.M.J, CORBEY, R.S. Long-term, pulsatile, low dose, subcutaneous luteinizing hormone – releasing hormone administration in men with idiopathic oligozoospermia failure of therapeutic and hormonal response. Andrologia; v .7, p. 143-149, 1985.

 

FISCHL, F; RIEGLER, R; BIEGLMAYER, C.H; NASR, F; NEUMARK, J. Die beeinflubbarkeit der samenqualität durch akupunktur bei subfertilen männern. Geburtsh u Frauenheik; v. 44, p. 510-2, 1984.

 

GERHARD, I, JUNG, I, POSTNEEK, F. Effects of acupuncture on semen

parameters/ hormone profile in infertile men. Mol Androl;  v. 4, p.9-25, 1992.

 

GUOWEI, L; JINGQIANG, X; YONGNING, W; QILIN, W. Afferent nerve fiber composition at point zusanli in relation to acupunture analgesia: a functional morphologic investigation. Chin Med J; v. 94, p. 255-63, 1981.

 

GUYTON, A.C. Tratado de fisiologia médica. 8 ed. Rio de Janeiro, Guanabara- Koogan, 1992.

 

GURFINKEL, E. Efeito do tratamento da acupuntura em pacientes com oligoastenozoospermia. 73f. São Paulo, Tese de Doutorado em Acupuntura. Universidade de São Paulo, 2011.

 

HABER, L.H; MOORE, B.D; WILLIS, W.D. Electrophysiological response

properties of spinoreticular neurons in the monkey. J Compar Neurol; v. 297, p. 75- 84, 1982.

 

KAADA, B. Vasodilation induced by transcutaneous nerve stimulation

In peripheral ischemia (Raynaud´s phenomenon and diabetic polyneuropathy. Eur Heart J;  v. 3, p. 303-14, 1982.

 

KRUGER, T.F; ACKERMAN, S.B; SIMMONS, K.F; SWANSON, R.J;

BRUGO, S.S; ACOSTA, A.A. A quick, reliable staining technique for human sperm morphology. Arch Androl; v. 18, p. 275-7, 1987.

 

MACIOCIA, G. Obstetrícia e ginecologia em medicina chinesa. São Paulo: Roca, 2000.

 

MARÍA, I.H; AGUILAR, R.C; AYALA, A.R. Estudio del hombre estéril. Ginecol Obstet Mex; v. 65, p. 368-72, 1997.

 

NGUYEN, V. N ; NGUYEN-RECOURS, C. Médecine traditionnelle chinoise. Marseille, A. Robert, 1984.

 

PASQUALOTTO, F. F. Investigação e reprodução assistida no tratamento da infertilidade masculina. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia; v. 1,  p. 123-34, 2007.

 

PUSCH, H.H; PÜRSTNER, P; HAAS, J. Treatment of asthenozoospermia with HCG. Andrologia ; v.18,  p. 201-7, 1986.

 

SITERMAN, S; ELTES, F; WOLFSON, V; LEDERMAN, H; BARTOOV, B. Does acupuncture treatment affect sperm density in males with very low sperm count? A pilot study. Androl ; v. 32, p. 31-9, 2000.

 

SOKOL, R.Z; STEINER, B.S; BUSTILLO, M; PETERSEN, G; SWERDLOFF, RS. A controlled comparison of the efficacy of clomiphene citrate in male infertility. Fertil Steril  ; v. 49, p. 865-70, 1988.

 

TABOSA, A.M.F; YAMAMURA, Y; FUKUYAMA, J.M. Shen (Rins) e a suprarenal. Rev Paul Acupunt ; v.4, n.1, p. 35-41, 1998.

 

WENBU, X. Tratado de Medicina Chinesa. São Paulo, Roca, 1993.

 

WU, D.Z. Acupuncture and neurophysiology. Clin Neurol Neurosurg ; v.92,

p. 13- 25, 1990.

 

YAMAMURA, Y; PUERTAS, D.M.A.A; WANG, L.W.I; SAIDAH, A. Hoang Ti- Nei Ching-Ling Shu. Rev Paul Acupunt; v. 1, p.58-66, 1995.

 

YAMAMURA, Y e  TABOSA, A. Aspectos integrativos das medicinas

occidental e chinesa. Rev Paul Acupunt ; v.1, p.26-32, 1995.

 

ZONGLIAN, H. A study on the histologic structure of acupuncture points and types of fibers conveying needling sensation. Chin Med J ; v.92, n.4, p.223-31, 1979.

 

Please give us your valuable comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *